Da cerveja artesanal ao famoso fondue, só delícias

Três restaurantes de Campos do Jordão garantem toda a segurança na hora de comer

Muitos empreendimentos em Campos do Jordão, especialmente na área gastronômica, nascem da iniciativa de empresários experientes, muitos da Capital. É o caso da microcervejaria Caras de Malte, comandada por sete amigos e empreendedores que possuem outros negócios e profissões, mas decidiram investir na paixão em comum pela cerveja artesanal.

Bastou atravessarmos a Avenida Av. Pedro Paulo, 1.500, que dá acesso ao Parque Horto Florestal, para chegarmos a esse local aconchegante. Com amplo salão central, lareira e um deque com aquecedores, o local voltou a atender após cinco meses fechado, com distanciamento entre as mesas e garçons usando máscaras e higienizando as mesas assim que são desocupadas.

Quem nos recebeu foi o maitre Claudio Américo da Silva Junior, que nos apresentou o processo de produção dos nove tipos de cerveja oferecidos pela casa. “Todos os insumos são importados, alguns vêm da República Tcheca, outros, dos EUA”, explica. A água é da fonte Nossa Senhora das Graças, no mesmo bairro da cervejaria, Descansópolis.

Provamos os oito tipos de cerveja, oferecidas num jogo americano com explicações de cada uma, sob o título Viagem Intergalática, sendo que cada sabor foi batizado com um nome sugestivo: Antimatéria, Radioativa, Nebulosa e outros. Entre as mais saborosas estava a Buraco Negro, que remete ao sabor do chocolate. As bebidas são acompanhadas de palitos de polenta com ragu suíno e iscas de truta. 

O nome do negócio, Caras de Malte, brinca com a expressão de que os homens são de Marte.

Moringa

Outro negócio do empresário Anderson Cesar Oliveira – dono do restaurante Dona Chica, no Horto Florestal –, o restaurante Moringa Mantiqueira abriu há cerca de um ano, na Avenida Emílio Ribas, 478, no famoso bairro Capivari, seguindo o mesmo preceito de oferecer pratos com produtos típicos da Serra da Mantiqueira, como truta, pinhão, javaporco (cruzamento de javali com porco) e tomate de árvore (tamarilho). Os pratos são servidos em recipientes rústicos, como pratos em pedra sabão e rodelas de tronco de árvore. Provamos a entrada com coxinhas, torresmos e bolinhos de javaporco (de comer de joelhos!), e pratos como trutas, picadinho de carne com cogumelos e abobrinha, além da cerveja e da caipirosca de tamarilho (muito refrescantes).

Não poderíamos encerrar esta matéria sem falar da fondue, iguaria tão famosa de Campos, ainda mais no inverno: em uma das noites em que estávamos hospedados na Pousada Tarundu, recebemos um delivery de fondue doce e salgada, do restaurante La Gália. 

O entregador também montou os apetrechos e deixou o rechaud de porcelana aceso, aquecendo a mistura de queijos para molhar as carnes e o pão. O rechaud de chocolate estava preaquecido, junto a uma bandeja de frutas. Na manhã seguinte, o mesmo entregador foi recolher os acessórios.

Tudo sobre: