Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Moradores de Praia Grande criam jardim e horta comunitária no bairro Guilhermina

Espaço já conta com hortaliças e temperos, além de flores. Moradores dividem as tarefas para manter os cuidados

Por: Carolina Faccioli  -  04/06/21  -  14:45
 Moradores cultivam hortaliças, flores e ervas no local
Moradores cultivam hortaliças, flores e ervas no local   Foto: Evanildo Dantas/Arquivo Pessoal

Cansados de mato alto e sujeira em um jardim de uma calçada da Rua Embaré, em Praia Grande, moradores do bairro Guilhermina se uniram para criar um jardim e horta comunitária, que já tem fornecido boas colheitas, como tomates, brócolis, salsinha e hortelã, dentre outros alimentos.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


A ideia surgiu inicialmente da técnica em enfermagem Sandra dos Santos Nunes, 50 anos, que mora em frente ao jardim. Segundo ela, o primeiro passo para dar uma nova cara ao jardim foi limpar o local.


Após a limpeza, Sandra plantou mudas de flores e foi estimulando os vizinhos a contribuírem da forma que quisessem com o espaço. "Espero que não suma. Isso aqui não é meu, é de todo mundo. Qualquer um que passar aqui pode plantar ou cuidar. Tem muita plantinha hoje e eu comecei com seis mudinhas só".


Sandra também afirma que tenta utilizar materiais recicláveis no local. Um exemplo foi a cerca que os moradores colocaram. As madeiras utilizadas estavam sobrando na casa de Sandra, então ela pegou para cercar o loca.


"Tudo que a gente acha na rua ou acha em casa que dá pra reciclar a gente aproveita na hortinha".


 Na horta também foi possível plantar tomates, que já começaram a aparecer
Na horta também foi possível plantar tomates, que já começaram a aparecer   Foto: Evanildo Dantas/Arquivo Pessoal

O cuidador de idosos Evanildo Dantas, de 35 anos, mora há cerca de 100 metros do jardim. Ele conta que decidiu se unir ao projeto sugerindo que no local também fossem plantadas hortaliças. Por ter trabalhado com hortas comunitárias no passado, viu o potencial que o espaço poderia conseguir.


Desde fevereiro, os moradores já conseguiram colher tomates, couve, salsinha, cebolina e brócolis. Os alimentos são compartilhados entre eles, mas Evanildo esclarece que a ideia também é levar comida de qualidade para quem passa necessidade, então quem passar pelo local também pode pegar, contanto que respeite o espaço.


"Eu me sinto muito grato porque é algo que eu gosto de fazer e estou conseguindo ajudar outras pessoas de forma direta e indireta, porque além de estarmos cuidado do ambiente onde moramos, estamos estimulando uma vida mais saudavel e cuidado do meio ambiente. O meu sonho é que o projeto se expanda", diz Dantas.


O cuidador de idosos também afirma que depois da repaginada no espaço as pessoas deixaram de sujar o local.


 Moradores dividem as tarefas para manter os cuidados do jardim
Moradores dividem as tarefas para manter os cuidados do jardim   Foto: Evanildo Dantas/Arquivo Pessoal

"Esse foi o melhor resultado, porque depois que limpamos a praça o pessoal não colocou mais lixo, começaram a ter mais consciência que está diferente, tiram foto, não deixam mais os animais fazerem as necessidades ali, então o pessoal começou a ter um pouco mais de consciência sim".


Segundo a Prefeitura de Santos, a população pode denunciar situações de descarte irregular de lixo, principalmente com fotos de possíveis veículos que possam ser utilizados para o transporte de materiais (imagens que possam, de alguma forma, identificar os responsáveis pela irregularidade) através do formulário online disponível no site da prefeitura. A Ouvidoria também atende pelo telefone 162. As denúncias podem ser anônimas.


Quem for flagrado realizando descarte irregular de lixo em espaços públicos pode sofrer sanções de acordo com o Código de Posturas Municipais (Lei 657/89), as normativas da gestão dos resíduos da construção civil (Lei 1660/2013) e leis ambientais como a de Crimes Ambientais (Lei 9605/98), dependendo da situação.


Logo A Tribuna