Brinquedo de praça em Praia Grande rompe e deixa criança com 'pé dilacerado'; VÍDEO

Mãe da vítima relata que, após o acidente, notou que o equipamento estava desparafusado

Por: ATribuna.com.br  -  28/10/22  -  10:15
Atualizado em 28/10/22 - 10:19
Apesar do susto, a criança está bem e fora de riscos
Apesar do susto, a criança está bem e fora de riscos   Foto: Divulgação/Andressa Souza Oliveira

Uma criança de 9 anos teve o pé dilacerado na terça-feira (25) após acidente na Praça Eduardo Dias Coelho, na Vila Tupi, em Praia Grande. A vítima estava brincando com outras crianças no balanço quando a estrutura do equipamento público rompeu e caiu em seu pé direito. (Veja em vídeo mais abaixo)


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


O local é popularmente conhecido como Praça dos Mamonas. A mãe da criança, a gerente de e-commerce Andressa Souza Oliveira, de 29 anos, explica que levou os filhos para brincar nos equipamentos e ficou observando. A moradora do bairro, em Praia Grande, afirma ter costume de frequentar o local.


“Na saída da escola, a gente tem o costume de passar por lá e eles pararem para brincar. Meu filho sentou no balanço, com uma outra coleguinha, e eles estavam brincando. Foi tudo muito rápido. O balanço quicou conforme ele e a coleguinha balançavam, levantou, subiu e caiu. Saiu de fora do lugar e pegou no pé dele a tora que sustentava o equipamento”, conta.


Após o acidente, a mãe relata ter percebido que o equipamento estava sem parafuso e afirma não ter visto qualquer tipo de sinalização informando que o brinquedo necessitava de reparos e não poderia ser utilizado. “Dilacerou o pé do meu filho, ele levou 20 pontos no pé”, comenta.


“Foi toda uma confusão. Nós vimos o balanço no chão. Meu filho estava gritando apavorado, acompanhado dos coleguinhas que vieram até mim. Eu fui até ele, que estava em desespero, porque rasgou o pé inteiro. Corri, peguei uma toalha e coloquei no pé dele”, relembra.


Neste momento, a mãe da criança alega ter entrado em desespero. Ela afirma ter chamado a ambulância, mas não conseguiu aguardar a chegada do socorro. Explica que colocou o filho no carro e o levou para o hospital, onde levou os pontos no pé.


“O balanço estava desparafusado. Óbvio que a gente viu isso depois que já tinha caído, porque não era algo visível. Eu não tinha como imaginar que iria cair um balanço que não estava sinalizado. Quando nós chegamos na praça, já tinham outras crianças fazendo uso do brinquedo”, afirma.


Sobre o estado da vítima, ela conta que o filho ainda está se recuperando do acidente. “Ele está choroso, não sei o que se passa na cabeça dele. Estava se culpando por algo que não é culpa dele. Meu filho estava exercendo o direito dele de ser criança, brincando ali e o negócio caiu em cima dele”, diz.


A gerente de e-commerce relata ainda não ter entrado em contato com a Prefeitura de Praia Grande. Contudo, ela analisa a possibilidade de entrar com uma ação contra a Administração Municipal.


“Pretendo verificar com a minha advogada como a gente pode proceder, porque o que aconteceu com o meu filho não foi uma fatalidade. Ele não passou e tropeçou. O balanço caiu no pé dele. Foi uma irresponsabilidade, o equipamento não estava preso, não tinha uma sinalização alertando. Se não fosse com o meu filho, seria com qualquer outra criança”, alega.



A Prefeitura de Praia Grande afirmou, em nota, que lamenta o ocorrido e que já realizou a troca do equipamento citado. Também se colocou também à disposição dos familiares para mais esclarecimentos sobre o caso.


Ainda sobre o acidente, a Prefeitura explicou que ainda vai apurar os motivos do ocorrido e que, nos próximos dias, deve instalar em todos os equipamentos placas informando sobre a recomendação de utilização dos itens e peso máximo suportado em cada brinquedo.


A Administração alegou que todos os equipamentos contavam com essas placas, mas muitos deles foram danificados por atos de vandalismo ou furtos. Sobre a manutenção, afirmou que é realizada constantemente em todos os equipamentos da Cidade, porém o mau uso e atos de vandalismo acabam prejudicando o andamento do serviço.


Logo A Tribuna
Newsletter