Políticos condenam ataque de Bolsonaro à Dilma: 'Brincar com tortura é inaceitável'

"Dizem que a Dilma foi torturada e fraturaram a mandíbula dela. Traz o raio X para a gente ver o calo ósseo", disse o presidente da República na segunda-feira (28)

A declaração do presidente da República, Jair Bolsonaro, ironizando a tortura sofrida pela ex-presidente da República Dilma Rousseff gerou uma onda de críticas de lideranças políticas. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente do MDB, deputado Baleia Rossi, ambos adversários de Dilma, além dos ex-presidentes da República Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso saíram em defesa da petista e atacaram Bolsonaro.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

FHC, em sua conta pessoal do Twitter, afirmou que "brincar com a tortura dela (Dilma) - ou de qualquer pessoa - é inaceitável".

Lula afirmou que "o Brasil perde um pouco de sua humanidade a cada vez que Jair Bolsonaro abre a boca". "Minha solidariedade a presidenta @Dilmabr, mulher detentora de uma coragem que Bolsonaro, um homem sem valor, jamais conhecerá."

O presidente da Câmara declarou que "Bolsonaro não tem dimensão humana. No Twitter, Maia escreveu: "Tortura é debochar da dor do outro. Falo isso porque sou filho de um ex-exilado e torturado pela ditadura. Minha solidariedade a ex-presidente Dilma. Tenho diferenças com a ex-presidente, mas tenho a dimensão do respeito e da dignidade humana."

Já Baleia Rossi, candidato à presidência da Câmara, também usou o Twitter para falar sobre o tema: "Não é sobre esquerda, centro ou direita. É sobre a dignidade humana, é disso que se trata. Nossa solidariedade à ex-presidente Dilma Rousseff. Tortura nunca mais."

O vice-presidente nacional do PDT e ex-ministro, Ciro Gomes, disse que Bolsonaro atacou Dilma por ser "frouxo, corrupto e incapaz". "Enquanto ela defende suas convicções, ele vende o País ao estrangeiro e, por sua irresponsabilidade, quase 200 mil brasileiros já perderam suas vidas", comentou.

Ironia

Na segunda-feira, Bolsonaro ironizou a tortura sofrida por Dilma durante o período que ela foi presa, na década de 1970, na ditadura militar. Em uma conversa com apoiadores, Bolsonaro pediu que lhe mostrassem um raio X para provar uma fratura da mandíbula da petista.

Entre risos, Bolsonaro declarou: "Dizem que a Dilma foi torturada e fraturaram a mandíbula dela. Traz o raio X para a gente ver o calo ósseo. Olha que eu não sou médico, mas até hoje estou aguardando o raio X."

Resposta de Dilma

Em nota, Dilma rebateu as provocações feitas pelo presidente e o classificou como "fascista", "sociopata" e "cúmplice da tortura e da morte". "Quem não se sensibiliza diante da dor de outros seres humanos, não merece a confiança do povo brasileiro. Bolsonaro não insulta apenas a mim, mas a milhares de vítimas da ditadura militar, torturadas e mortas, assim como aos seus parentes, muitos dos quais sequer tiveram o direito de enterrar seus entes queridos", declarou a ex-presidente da República.

Tudo sobre: