Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Partido Novo agora é de oposição ao governo de Jair Bolsonaro

Entre motivos para posicionamento, partido cita abandono das políticas anticorrupção e postura de Bolsonaro durante pandemia

Por: Do Estadão Conteúdo  -  10/03/21  -  17:52
Eduardo Ribeiro substituiu João Amoêdo e é o presidente nacional do partido,
Eduardo Ribeiro substituiu João Amoêdo e é o presidente nacional do partido,   Foto: Luiz Augusto Macedo/Divulgação

O partido Novo apresentou novas diretrizes de atuação da legenda e se colocou como oposição ao governo de Jair Bolsonaro. De viés liberal e com foco em pautas econômicas, a legenda fundada em 2011 estreou na Câmara dos Deputados na eleição de 2018, com uma bancada com oito nomes.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


A nova diretriz partidária do Novo diz que a legenda posiciona-se como oposição ao atual Governo Federal. "Orientação esta que norteará desde já tanto nossas posições institucionais quanto nossas candidaturas para 2022", afirma o documento.


"Como bem explicitado na diretriz, a bancada federal permanecerá formalmente independente. Não vamos nos associar a qualquer legenda por oposição pura e simples. Temos nossos valores. Está claro que somos um partido que trabalha pela liberdade, ao contrário de outros partidos que defendem a bênção do Estado para tudo", afirmou o líder da bancada do partido na Câmara, Vinícius Poit (SP), aoEstadão/Broadcast.


"Vamos nos opor ao governo como já vínhamos fazendo quando não concordarmos com o que é proposto ou apresentado. Porém, votaremos a favor das pautas que acreditamos serem importantes para o País, ainda que isso signifique votar com o governo", completou o deputado.


No Twitter, a vereadora da cidade de São Paulo Cris Monteiro chegou a pedir o impeachment de Bolsonaro ao anunciar as novas diretrizes. "Somos OPOSIÇÃO ao Governo Bolsonaro! #ImpeachmentJa", escreveu.


Para a definição da nova postura, o partido cita o abandono das políticas anticorrupção e o encerramento da Operação Lava Jato, a atuação do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a postura de Bolsonaro durante a pandemia, entre outros pontos.


Apesar da oposição ao governo, o Novo diz repudiar a anulação das condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por determinação de ontem do ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin.


Logo A Tribuna