Bolsonaro volta a questionar segurança e confiabilidade do sistema eleitoral

Presidente insistiu na implantação do voto impresso auditável e contagem pública

Por: Estadão Conteúdo  -  23/07/21  -  04:00
 Segundo o presidente, pesquisas eleitorais de intenção de voto não refletem a realidade
Segundo o presidente, pesquisas eleitorais de intenção de voto não refletem a realidade   Foto: Reprodução/YouTube

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a questionar, durante transmissão semanal ao vivo nesta quinta-feira (22), a segurança e confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro. "Por que o ministro do STF Luís Roberto Barroso vai para dentro do Congresso Nacional se reunir com lideranças partidárias dizendo que as urnas são plenamente confiáveis? Se são, dá um tapa na minha cara", desafiou Bolsonaro. "Vamos aprovar o voto impresso auditável juntamente com a contagem pública dos votos."


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Sob pretexto de "evitar problemas", defendeu a aprovação da PEC de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF) que implementaria o voto "auditável" nas eleições presidenciais. A proposta chegou a começar a ser discutida na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, porém foi retirada de pauta diante da iminência de ser derrotada pelos parlamentares do colegiado.


Bolsonaro mais uma vez adiou a apresentação de provas sobre fraude nas eleições, e disse que "com toda certeza" as apresentaria na quinta-feira da próxima semana (29).


Segundo o presidente, as pesquisas eleitorais de intenção de voto não refletem a realidade e ainda que os institutos de pesquisa se aproximem do resultado final das eleições, este seria resultado de fraude. "Com toda a certeza, a desconfiança que traz para a população é que esse porcentual de intenção de votos vai ser acertado, vai ser convalidado depois lá entre meia dúzia de servidores do TSE", afirmou durante transmissão semanal ao vivo.


Para o presidente, eleições são uma questão de segurança nacional. Bolsonaro também reforçou que passaria a faixa presidencial a qualquer um que ganhe em eleições limpas. "Tem que haver eleição. Tem que haver voto. Mas eleição transparente. Não queremos desconfiança."


Logo A Tribuna
Newsletter