Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Bolsonaro se irrita com pedido de caminhoneiro sobre reajuste de frete rodoviário

Presidente encerrou conversa no Palácio da Alvorada após ser questionado por representante da categoria

Por: Estadão Conteúdo  -  21/06/21  -  12:12
Atualizado em 21/06/21 - 16:03
 Presidente se negou a responder representante dos caminhoneiros que pediu reajuste do piso mínimo do valor do frete rodoviário
Presidente se negou a responder representante dos caminhoneiros que pediu reajuste do piso mínimo do valor do frete rodoviário   Foto: Isac Nóbrega/PR e Carlos Nogueira/Arquivo AT

O presidente da República, Jair Bolsonaro, negou-se a responder, nesta segunda-feira (21), a demanda de um representante dos caminhoneiros que pediu reajuste do piso mínimo do valor do frete rodoviário. "É muita coisa para discutir contigo", disse, irritado, encerrando conversa iniciada na saída do Palácio da Alvorada.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Antes, ao ser cobrado quais as propostas para atender a categoria, Bolsonaro repetiu que o "maior problema de vocês (caminhoneiros)" é o preço dos combustíveis e os tributos.


Segundo o presidente, o Congresso deve votar nesta semana projeto de lei complementar que altera a cobrança do ICMS sobre o combustível.


Proposta pelo governo em fevereiro diante de ameaças de greve de caminhoneiros, a medida transformaria o tributo estadual, atualmente cobrado como porcentual do preço do produto, em um valor nominal fixo comum em todos os Estados. Hoje, cada ente federativo tem autonomia de estabelecer sua própria alíquota.


O texto prevê ainda que a cobrança deixe de ser efetuada nos postos de combustível e passe para as refinarias, onde ocorre a produção. A ideia é evitar a bitributação, já que a aplicação do ICMS no ponto final da cadeia faz com que o imposto incida sobre outros tributos, como PIS e Cofins.


Logo A Tribuna