CLUBE IMPRESSO ACERVO COVID
Bolsonaro defende tratamento precoce e diz à CPI da Covid: 'Não encha o saco'
Chefe do Executivo ainda ameaçou usar a máquina do governo federal para investigar o governador de Alagoas, Renan Filho
Por: Estadão Conteúdo  -  07/05/21  -  19:19
Bolsonaro defendeu 'tratamento precoce' em publicação no Facebook nesta sexta-feira (7)   Foto: Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro mandou um recado nesta sexta-feira (7) à CPI da Covid: "Não encha o saco". Em publicação no Facebook na manhã desta sexta-feira, Bolsonaro volta a defender o chamado "tratamento precoce", que inclui medicamentos como cloroquina e ivermectina e que foi um dos pontos mais questionados pelos senadores na primeira semana da CPI, ao colher os depoimentos de ex-ministros da Saúde e do atual titular da pasta, Marcelo Queiroga.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


"Uns médicos receitam Cloroquina, outros a Ivermectina e o terceiro grupo (o do Mandetta), manda o infectado ir para casa e só procurar um hospital quando sentir falta de ar (para ser entubado)", escreveu Bolsonaro no que ele chamou de "resposta aos inquisidores da CPI sobre o tratamento precoce". "Portanto, você é livre para escolher, com o seu médico, qual a melhor maneira de se tratar. Escolha e, por favor, não encha o saco de quem optou por uma linha diferente da sua, tá ok?", completou.


Na noite de quinta-feira (6), em transmissão semanal nas suas redes sociais, Bolsonaro reclamou que o colegiado da CPI "bateu muito" em Queiroga. "Cloroquina, cloroquina, cloroquina, o tempo todo cloroquina. 'Ah, o presidente falou'...", analisou Bolsonaro. O chefe do Executivo ainda ameaçou usar a máquina do governo federal para investigar o governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), filho do senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, que tem se mostrado forte crítico ao Planalto.


Na primeira semana de depoimentos, a CPI ouviu os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, e Queiroga. Os dois primeiros relataram a pressão de Bolsonaro para que o Ministério da Saúde defendesse o "tratamento precoce", com destaque para cloroquina. Já Queiroga irritou os senadores ao evitar dizer se concorda ou não com a defesa que Bolsonaro faz do medicamento. Queiroga insistiu que a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS (Conitec) ainda vai decidir sobre o uso da droga antimalárica contra a covid-19 e disse preferir se manifestar nesse momento, se for preciso.