Após chamar Maia de ‘Nhonho’, Salles afirma que conta em rede social foi usada indevidamente

Conta do ministro do Meio Ambiente foi apagada pouco depois do comentário nesta quinta

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, encerrou nesta quinta-feira (29) a conta atribuída a ele na rede social Twitter. Ele afirmou que o perfil foi usado indevidamente. Na noite desta quarta (28), uma postagem na conta do ministro chamava de "Nhonho" o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços! 

Nhonho é o apelido do personagem Febronio Barriga, interpretado por Édgar Vivar, da série de TV mexicana "Chaves". Críticos de Maia se referem ao presidente da Câmara como Nhonho. 

“Fui avisado há pouco que alguém se utilizou indevidamente da minha conta no Twitter para publicar comentário junto a conta do presidente da Câmara dos Deputados, com quem, apesar de diferenças de opinião sempre mantive relação cordial", publicou Ricardo Salles na manhã desta quinta-feira. 

Publicação de Ricardo Salles (Foto: Reprodução/Twitter) 

Pouco depois dessa nova postagem, a conta de Salles no Twitter foi apagada. Questionado se foi ele quem apagou a conta ou se o perfil foi invadido, o ministro respondeu: "Fiz o procedimento de segurança".

A postagem na conta de Salles que chamava Maia de Nhonho foi feita em resposta a uma crítica feita pelo presidente da Câmara no sábado (24). “O ministro Ricardo Salles, não satisfeito em destruir o meio ambiente do Brasil, agora resolveu destruir o próprio governo”, escreveu o parlamentar na ocasião. 

Maia fez a crítica após Salles ter usado o Twitter para chamar de "Maria Fofoca" o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

Salles atribuiu ao colega a origem de uma notícia publicada pelo jornal "O Globo", segundo a qual o ministro do Meio Ambiente "estica a corda" com a ala militar do governo — da qual Ramos, general da reserva, faz parte — ao reclamar da falta de recursos para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

"Ministro Luiz Ramos, não estiquei a corda com ninguém. Tenho enorme respeito e apreço pela instituição militar. Atuo da forma que entendo correto. Chega dessa postura de #mariafofoca", escreveu Salles em rede social.

* Com informações do G1 e TV Globo

Tudo sobre: