Três participantes de assalto à Prosegur em 2016 são condenados a até 110 anos de prisão

Assalto aconteceu em abril de 2016. Bandidos levaram mais de R$ 12 milhões em ação que resultou em três mortos e um ferido

Por: Eduardo Velozo Fuccia  -  17/01/19  -  23:37
Assalto em empresa de transporte de valores aconteceu em abril de 2016 no bairro Macuco, em Santos
Assalto em empresa de transporte de valores aconteceu em abril de 2016 no bairro Macuco, em Santos   Foto: Arquivo/AT

Três envolvidos no assalto cinematográfico à empresa de transporte de valores Prosegur, em Santos, que resultou em três mortos e um baleado, foram condenados nesta quarta-feira (16). As penas variam de 70 a 110 anos de reclusão.


Para se ter dimensão do roubo, o Ministério Público descreveu em sua denúncia que, na madrugada de 4 abril de 2016, a cidade de Santos foi palco da maior, mais violenta e ousada ação criminosa de sua história.


Em sentença de 50 laudas, a juíza Lívia Maria de Oliveira Costa, da 6ª Vara Criminal de Santos, condenou Daniel Donizetti Colantuono, Hélcio Ananias Vilela de Oliveira e Cleber Dorama Lima Rodrigues, mais conhecido por Tatu.


A maior pena - 110 anos de reclusão - foi imposta a Daniel. Tatu foi condenado a 106 anos e quatro meses. A magistrada sentenciou Hélcio a 70 anos, dez meses e 20 dias. Para que não haja risco à ordem pública, os réus não poderão apelar em liberdade.


Um quarto réu foi absolvido por insuficiência de provas, e a juíza determinou a expedição do seu alvará de soltura. A ação penal tem um quinto acusado (Leandro Gabino), que está foragido e, citado por edital, sequer constituiu advogado. Por isso, em relação a ele, o processo e o prazo prescricional foram suspensos.


Porém, pelo menos 30 criminosos participaram da ação. Suspeitos de integrar o Primeiro Comando da Capital (PCC), os marginais teriam se revezado para praticar outros roubos a empresas do mesmo segmento em várias cidades do país e até no Paraguai.


Câmeras de monitoramento registraram o momento da ação dos criminosos
Câmeras de monitoramento registraram o momento da ação dos criminosos   Foto: Reprodução

Poderio bélico


Armada com fuzis calibres 5.56 e 7.62, metralhadora .50, pistolas e explosivos, a quadrilha veio a Santos preparada para uma guerra. Para o sucesso da empreitada criminosa contra a filial da Prosegur localizada na Rua Silva Jardim, no bairro Macuco, ela também furtou e roubou caminhões e outros veículos.


Parte do bando invadiu a empresa, projetando um caminhão contra o portão principal para arrombá-lo. Depois, explodiu cerca de cinco dinamites para chegar aos cofres, nos quais era guardado o dinheiro.


Os demais assaltantes atuaram na contenção. Eles bloquearam ruas e avenidas com os veículos, alguns incendiados, e dispararam contra policiais militares que tentavam se aproximar.


O bando levou da empresa de transporte de valores R$ 12.167.591,38, mas perdeu alguns malotes de dinheiro durante a fuga, no momento em que trocava de carros. Policiais militares conseguiram recuperar R$ 8.794.408,57.


Polícia conseguiu recuperar parte do dinheiro roubado no assalto à Prosegur
Polícia conseguiu recuperar parte do dinheiro roubado no assalto à Prosegur   Foto: Arquivo/AT

Mortos e ferido


No local do roubo e durante perseguição, vários tiroteios foram travados entre policiais militares e os ladrões, que conseguiram escapar. Porém, a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos identificou os cinco réus, dos quais quatro foram capturados.


A juíza reconheceu, na sentença, o trabalho da DIG, que contou com o apoio do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic). Ela ainda destacou a “valorosa e destemida” ação dos policiais militares, por não se intimidarem com o poder de fogo superior dos criminosos.


Uma das vítimas é um soldado da PM. Ele foi baleado na cabeça ao se aproximar de viatura da Prosegur, mas sobreviveu ao atentado. Na mesma rua da empresa de transporte de valores, o morador de rua Dejair Zizuino foi atingido por um disparo e morreu.


Quando um dos veículos da megaquadrilha passava pelo Km 51,8 da Via Anchieta, na pista sentido São Paulo, os seus ocupantes viram uma viatura da Polícia Rodoviária parada e abriram fogo contra ela. Os disparos acertaram os policiais Leonel Almeida de Carvalho e Alex de Souza da Silva, que morreram.


Três criminosos que tiveram participação no assalto à Prosegur foram presos
Três criminosos que tiveram participação no assalto à Prosegur foram presos   Foto: Arquivo/AT

Logo A Tribuna