Sindicato acende alerta para 'onda de execuções' de policiais na Baixada Santista

Áudios de possíveis autores dos atentados estariam circulando após morte de dois profissionais de segurança na região

Por: ATribuna.com.br  -  03/12/21  -  11:29
Atualizado em 03/12/21 - 11:30
Sindicato emitiu alerta a todos os policiais penais da Baixada Santista
Sindicato emitiu alerta a todos os policiais penais da Baixada Santista   Foto: Reprodução

A morte de um agente penitenciário e de um policial militar, em São Vicente, nesta semana, acendeu um sinal de alerta para os profissionais de segurança da Baixada Santista sobre uma possível ‘onda de execuções’.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


De acordo com o Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (Sifuspesp), áudios de possíveis autores ou mandantes dos atentados mostram que os criminosos estariam contando o número de policiais executados e dizendo que o crime “está vencendo”.


Desta forma, o Sifuspesp emitiu um alerta a todos os policiais penais da Baixada Santista. A orientações é que os agentes da região tenham atenção redobrada nas atividades do dia a dia e atuem de forma preventiva para evitar qualquer novo ataque.


A Tribuna questionou a Polícia Militar (PM) e a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) sobre o caso.


Em nota, a PM afirmou que desde o dia 28 de novembro está sendo desencadeada uma operação na área do 39º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM/I), responsável pelo policiamento de São Vicente. Desta forma, ações policiais acontecem por 24h e contam com a participação do efetivo do 39º BPM/I, das Forças Táticas da Região, do 2º Batalhão de Ações Especiais de Polícia e com apoio do Comando de Policiamento de Choque e do Comando de Aviação.

Foram registradas 332 abordagens, onde seis pessoas foram presas por crimes de furto e roubo, dentre elas, um menor de idade. Um foragido da justiça também foi capturado e um automóvel foi recuperado.

A PM garante que não há registro de irregularidades nas ações policiais, bem como nenhum procedimento de apuração está em andamento. A operação irá prosseguir por tempo indeterminado.

"Não temos registro de denúncias formais de ações criminosas", complementou a nota.


A SAP também enviou uma nota sobre as possíveis ameaças relatadas pelo sindicato. Confira na íntegra:

"A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) desconhece a maneira pela qual o sindicato teve acesso e atestou a veracidade dos áudios.

Além de prematuro, é irresponsável difundir notícias sem a comprovação de autenticidade.

A pasta reitera que colabora com as investigações, cuja competência constitucional nesse caso recai, exclusivamente, sobre a polícia judiciária que trabalha para a apuração de autoria, circunstâncias e motivação do crime."


Logo A Tribuna