Polícia busca por imagens de câmeras para esclarecer morte de irmão do ex-jogador Baiano

Atendimento dispensado à Cosme Almeida Lima na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Central de Santos também é alvo de apuração

Por: Eduardo Velozo Fuccia  -  27/12/18  -  21:50

A Polícia Civil tenta obter imagens de câmeras de segurança para esclarecer o latrocínio do camelô Cosme Almeida Lima, o Dão, de 43 anos, irmão do ex-jogador de futebol e atual técnico Baiano. O atendimento dispensado à vítima na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Central de Santos também é alvo de apuração, por enquanto, na esfera administrativa.


Após ser assaltado e agredido por dois homens nas imediações da Praça dos Andradas, na madrugada de terça-feira (25), Dia de Natal, Dão foi levado à UPA. Ele recebeu alta e chegou em casa pela manhã, mas retornou à unidade à tarde, porque começou a se sentir mal. O camelô ficou em repouso e faleceu às 20h10.


Cosme Almeida Lima, o Dão, faleceu na noite da última terça-feira, em Santos
Cosme Almeida Lima, o Dão, faleceu na noite da última terça-feira, em Santos   Foto: Reprodução/Facebook

A Tribuna questionou a Fundação do ABC – organização social de saúde (OSS) responsável pela gestão da UPA – se a unidade não constatou a gravidade do estado clínico do ambulante por ocasião da sua primeira ida ao local e se eventual falha no atendimento será objeto de sindicância.


A Fundação do ABC explica em nota que o caso será apurado por duas comissões da UPA (de Ética Médica e de Óbitos), ambas registradas no Conselho Regional de Medicina (CRM). O objetivo é verificar se todos os procedimentos adotados seguiram os “padrões técnicos estabelecidos”.


Filho do vendedor ambulante, o também camelô Michael Menezes de Almeida, de 23 anos, disse que o pai faleceu de insuficiência respiratória, além de hemorragia e trauma pulmonar, conforme atestou o Instituto Médico-Legal (IML) de Santos. Dão foi sepultado quarta-feira à tarde, no Cemitério da Areia Branca.


O comunicado da Fundação do ABC relata que a vítima “deu entrada na manhã de 25 de dezembro na UPA, passou por atendimento médico e, em função do quadro de saúde apresentado, recebeu alta da unidade de saúde”. Não foi feita qualquer menção sobre exames ou outros procedimentos eventualmente realizados para diagnosticar lesões internas.


O texto produzido pela assessoria de imprensa da gestora da UPA acrescenta que, “no período da tarde, o paciente retornou à UPA com novas queixas. Durante o atendimento, apresentou episódio de convulsão, seguido de parada cardiorrespiratória. Todos os procedimentos de reanimação foram realizados, mas, infelizmente, não foram suficientes para evitar o óbito”.


Investigação policial


Além de tentar obter imagens de câmeras que possam ter registrado o ataque ao ambulante ou a fuga dos ladrões, policiais do 1º DP de Santos percorrem bares, pastelarias e outros locais do Centro em busca de possíveis testemunhas.


Segundo o chefe dos investigadores Rodrigo Lima, todas as informações serão checadas e será garantido o anonimato de quem as transmitir. Dão disse ao filho que os assaltantes o agrediram porque ele reagiu. Ainda conforme a vítima, os marginais levaram a sua carteira de couro marrom com documentos, cartões bancários e cerca de R$ 50,00.


Logo A Tribuna