EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Novembro de 2019

Polícia descobre que caminhoneiro mentiu sobre tentativa de assalto em Praia Grande

Homem recebeu um tiro na perna esquerda. De acordo com a investigação, um amigo manuseou o revólver do motorista, e arma disparou acidentalmente

Baleado na perna esquerda em suposta tentativa de assalto, um caminhoneiro teve a sua mentira descoberta por policiais da Delegacia de Praia Grande e responderá pelos delitos de posse ilegal de arma de fogo e falsa comunicação de crime.

Com a verdade vindo à tona sobrou até para uma suposta testemunha da tentativa de roubo que não aconteceu. “Foi um caso típico de ‘fogo amigo’. Um homem manuseou o revólver do caminhoneiro e ele disparou acidentalmente”, conta o chefe dos investigadores Nivaldo Ribeiro.

O delegado Sérgio Lemos Nassur, titular do município, determinou a apreensão do revólver calibre 38, cuja procedência ainda será apurada. Sem registro da arma, o caminheiro Aquilles Ribeiro dos Santos, de 38 anos, disse que a adquiriu para a sua “segurança”.

A arma foi achada dentro de uma mochila, no porta-malas do carro do amigo de Aquilles, o também caminhoneiro Elvis Aquino Ferreira, de 44 anos. Autor do tiro acidental, ele será indiciado por lesão corporal culposa (não intencional), informa Nassur.

Como foi

Ferido com um tiro na perna, Aquilles deu entrada no Hospital Irmã Dulce por volta das 21 horas do último sábado (12). Policiais militares ali estiveram e o caminheiro disse que dois ladrões o balearam em tentativa de assalto.

O crime, ainda de acordo com Aquilles, ocorreu na Rua Américo Vespúcio, no Aviação, no momento em que ele entraria em seu caminhão. Por fim, o motorista narrou aos PMs que não reagiu e os assaltantes fugiram sem nada levar.

Investigação

A equipe de Nassur e Ribeiro compareceu segunda-feira ao Irmã Dulce, mas Aquilles já havia recebido alta. Morador em São Paulo, o caminhoneiro foi encontrado pelos policiais civis na casa do amigo Elvis, em Praia Grande.

Inicialmente, Aquilles confirmou a versão relatada aos PMs. Porém, os investigadores quiseram encaminhar o caminhão à perícia, porque o projétil transfixou a perna da vítima e poderia ter atingido o veículo.

A partir daí, Aquilles e o amigo caíram em contradições. Admitiram que não houve tentativa de roubo, mas um tiro acidental enquanto Elvis “rodava o tambor” da arma.

Segundo os caminhoneiros, eles combinaram a história da tentativa de roubo por receio de serem punidos. Elvis utilizou o seu automóvel para levar Aquilles ao hospital. No mesmo veículo, os policiais civis encontraram o revólver.

Tudo sobre: