PM descobre esquema que usava mulher como isca para roubar caminhoneiros em Cubatão

Segundo ela, comparsas lhe pediam para propor a realização de programas amorosos aos caminhoneiros

Por: Eduardo Velozo Fuccia & Da Redação &  -  28/11/18  -  23:30
  Foto: Carlos Nogueira/AT

Ladrões de carga usavam uma mulher como isca para roubar caminhoneiros em Cubatão. O esquema foi descoberto por policiais militares nesta quarta-feira (28) de madrugada, após eles trocarem tiros com os assaltantes, que fugiram. Prováveis crimes cometidos pela quadrilha, agora, são investigados.


A integrante do bando tem 29 anos e disse ser viciada em drogas. Segundo ela, os comparsas lhe pediam para propor a realização de programas amorosos aos caminhoneiros. No caso de aceitação, os motoristas ficariam vulneráveis à ação dos membros do sexo masculino da quadrilha.


Na condição de “investigada”, a jovem foi detida, ouvida pelo delegado Pedro Augusto Losada Correia, na Delegacia de Cubatão, e liberada. Ela alegou ignorar os nomes dos comparsas, que se embrenharam em um matagal durante o tiroteio e conseguiram escapar.


Eventuais vítimas do grupo poderão comparecer à Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos, que possui um núcleo especializado na repressão a furtos e roubos de cargas. Os policiais garantem manter o sigilo dos nomes dos caminhoneiros.


Atitude suspeita


Dois policiais militares realizavam patrulhamento pela Avenida Engenheiro Plínio de Queirós, no Distrito Industrial, e suspeitaram de um Novo Fox prata parado em um estacionamento clandestino de caminhões, por volta das 2 horas. Segundo os PMs, o local também é conhecido como ponto de tráfico.


Um homem com macacão laranja estava fora do carro e conversava com os ocupantes do veículo. Ao se aproximarem, os policiais foram recebidos a tiros pelo desconhecido com o uniforme de trabalhador, que correu em direção a um matagal.
O autor dos disparos foi seguido por três homens que saíram do Fox. Em seguida, do interior da mata, mais tiros foram efetuados na direção dos PMs, que escaparam ilesos e revidaram os disparos.


Cessado o tiroteio, uma mulher de 29 anos desembarcou assustada do automóvel e revelou o plano da quadrilha. Ela disse que veio com os comparsas da Vila Esperança, comunidade de Cubatão às margens da Rodovia Padre Manuel da Nóbrega.
Dentro do Fox foram apreendidos uma bateria veicular e um bloqueador de sinal de GPS, conhecido por capetinha ou chapolim. Criminosos utilizam este dispositivo para impossibilitar que veículos furtados ou roubados sejam rastreados.


Pesquisa do chassi do Novo Fox revelou que ele é produto de roubo cometido em Cubatão. Por estar com a placa de um carro do mesmos modelos e cor, o carro ostentava a condição de “dublê”, como são chamados nos meios policiais os veículos clonados.


Logo A Tribuna