Nutricionista é atropelada enquanto corria na orla da praia de Santos: 'Sensação de insegurança'

Daniela Haddad, de 37 anos, teve ferimentos na perna e braço esquerdo; boletim de ocorrência foi registrado

Por: ATribuna.com.br  -  01/04/24  -  07:06
Atualizado em 01/04/24 - 17:52
Nutricionista teve uma contusão no cotovelo esquerdo, por conta da batida
Nutricionista teve uma contusão no cotovelo esquerdo, por conta da batida   Foto: Arquivo pessoal

“É uma sensação de insegurança e impotência”, afirma Daniela Haddad, de 37 anos. A nutricionista foi atropelada por um carro enquanto corria na orla, na Avenida Bartholomeu de Gusmão, no bairro Ponta da Praia, em Santos. Daniela acredita que tenha sido atingida de propósito e, por conta da batida, teve ferimentos no braço e perna esquerda. A Tribuna conversou com a vítima neste domingo (31).


À Reportagem, Daniela conta que, por volta das 7h20 da manhã da última sexta-feira (29), saiu do Canal 3, onde mora, para correr os 10km de trajeto que costuma fazer até a balsa Santos-Guarujá.


No entanto, em um trecho próximo ao Aquário de Santos, a nutricionista relata que a calçada fica mais estreita, por isso teve que correr durante poucos metros pelo asfalto. O carro teria vindo por trás e a acertado com o retrovisor.

“Eu estava sozinha, mas tinha outras três pessoas correndo e treinando, bem atrás de mim e viram tudo. Eu só senti a pancada e vi o carro saindo. A dor foi bem forte, mas não cheguei a cair”, relata.


Um fotógrafo que estava no local conseguiu registrar uma foto da placa do carro para Daniela. Mesmo de longe, ele contou à vítima que viu tudo que aconteceu e por isso decidiu ajudar fazendo o registro. A identificação do carro possibilitou que a nutricionista fizesse um boletim de ocorrência no 3º Distrito Policial (DP) de Santos. O caso foi registrado como lesão corporal culposa na direção de veículo automotor e fuga do local do acidente.


Fotógrafo registrou uma foto da placa do carro que atropelou Daniela
Fotógrafo registrou uma foto da placa do carro que atropelou Daniela   Foto: Arquivo pessoal

Ela diz que, embora esta tenha sido a primeira vez que algo assim aconteceu, já perdeu as contas de quantas vezes ela e outros atletas ouviram xingamentos de motoristas. “Isso é uma coisa comum. Ouvi de outros amigos que já passaram por coisas bem parecidas, alguns não chegaram a se machucar, mas outros sim”, comenta.


Apesar do ocorrido, Daniela acredita que o motorista não teve a intenção de matar. “Eu acho que ele só quis assustar. Mas, isso é perigoso, pois comigo foi leve, mas poderia ter sido pior. Se a gente deixar isso quieto, nunca ninguém será punido”, afirma.


A nutricionista conta que foi para o hospital sozinha, mas apenas teve uma contusão no cotovelo e escoriações na perna. Agora, ela afirma que a Polícia Civil está cuidando do caso e, inclusive, já identificou o suspeito para tomar as providências.


“É uma sensação péssima, de insegurança e impotência. Na hora eu quis chorar muito pelo susto, mas me reergui. Espero que as pessoas se conscientizem do quão grave isso é e que a gente possa treinar com segurança e possa voltar bem para casa”, finaliza.


Logo A Tribuna
Newsletter