Ladrões quebram dente de pai e atiram em filho ao tentar assaltar casa em Bertioga

Crime ocorreu na noite do último domingo (11), no Jardim Indaiá. Polícia ainda não tem pistas dos criminosos

Um industriário de 48 anos e um de seus filhos, de 22, foram atacados por três ladrões que tentaram assaltar uma residência em Bertioga. O homem reagiu, levou uma coronhada na boca e teve um dente da frente quebrado. Em seguida, o jovem tentou segurar a arma do assaltante e levou dois tiros.

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

“Foi Deus!”, disse a mãe do rapaz e mulher do industriário, em razão do filho não ter morrido. Segundo ela, um disparo atravessou o braço esquerdo do jovem. O outro tiro passou de raspão pela região torácica, produzindo grande hematoma. “Os médicos disseram foi sorte a bala não ter atingido o pulmão, o que poderia ser fatal”, acrescentou.

A família estava na casa de parentes, no Jardim Indaiá, e se preparava para retornar para Mogi das Cruzes, onde reside, às 23h40 de domingo (11). Dois carros dos turistas já se encontravam na rua, em frente ao imóvel, prontos para a viagem de regresso, quando o industriário e o filho foram surpreendidos na garagem pelos criminosos.

O chefe da família tentou expulsar os marginais e foi agredido com a coronhada. Na sequência, o filho foi baleado na tentativa de proteger o pai. Logo após os disparos, o trio fugiu correndo sem consumar o roubo. Depois de os ladrões virarem a esquina, não foram mais vistos, sendo ignorado se algum comparsa os aguardava de carro.

Pelo menos dois assaltantes portavam armas de fogo. Um dos criminosos chegou a entrar na casa, mas saiu após os tiros. Dentro da residência estavam as demais vítimas, a maioria mulheres. O industriário viajou com mais oito pessoas. No imóvel dos parentes havia dois moradores.

O rapaz baleado foi encaminhado ao Pronto-Socorro de Bertioga. O delegado Marcello Marinho de Oliveira registrou o caso. Os assaltantes não tiveram as suas características observadas porque era noite e a ação foi muito rápida. A Polícia Civil ainda não tem pistas dos ladrões.

Tudo sobre: