Justiça solta empresário que matou esposa a facadas por causa de futebol

Segundo a PM, Leonardo Souza Ceschini já havia confessado ter matado a esposa, Érica Fernandes Ceschini, por "desavenças devido cada um ser torcedor de time de futebol diferente"

O Tribunal de Justiça de São Paulo soltou o empresário Leonardo Souza Ceschini, de 34 anos, que matou a facadas a esposa, Érica Fernandes Ceschini em 31 de janeiro, um dia após a final da Copa Libertadores, entre Palmeiras e Santos. Érica era palmeirense, enquanto Leonardo é corintiano.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

A soltura aconteceu nesta quinta-feira (25). O crime aconteceu após uma suposta briga envolvendo futebol no apartamento do casal, na Zona Oeste da capital paulista. A Polícia Militar foi acionada e, quando chegou no local, encontrou a mulher caída no chão da cozinha.

Segundo a Polícia Militar, Leonardo já havia confessado o crime. Na decisão de soltura, a juíza Giovanna Christina Colares, da 5ª Vara do Júri de São Paulo, entendeu que houve excesso de prazo na manutenção da prisão preventiva. A juíza afirmou que o Ministério Público recebeu vários alertas de que deveria oferecer a denúncia no prazo estabelecido.

"Verifico que já se encontra em muito ultrapassado o prazo para o oferecimento da denúncia, estabelecido no artigo 46 do Código de Processo Penal, razão pela qual a prisão do indiciado representa nítido constrangimento ilegal, devendo ser imediatamente relaxada, consoante artigo 5º, inciso LXV, da Constituição Federal, que dispõe que a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária", escreveu a juíza na decisão.

Leonardo havia sido preso em flagrante e indiciado por homicídio doloso. Segundo a PM, ele confessou ter matado a esposa após "desavenças devido cada um ser torcedor de time de futebol diferente".

Torcedora do Palmeiras, Érica Fernandes Ceschini foi morta a facadas pelo marido corintiano (Foto: arquivo pessoal)

*Com informações do G1

Tudo sobre: