Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

'Falso suspeito' de atentado contra Solange Freitas participou do crime, diz polícia

Investigação da Delegacia de Homicídios apontou que o homem que se apresentou como atirador teve participação no atentado de novembro do ano passado não efetuou os disparos

Por: Por ATribuna.com.br  -  19/01/21  -  23:47
Polícia diz que homem que se apresentou como autor de atentado contra Solange Freitas é uma farsa
Polícia diz que homem que se apresentou como autor de atentado contra Solange Freitas é uma farsa   Foto: Montagem/AT

A Polícia Civil afirmou que o "falso suspeito" de participar do atentado contra a jornalista Solange Freitas, então candidata a prefeita em São Vicente pelo PSDB, em novembro do ano passado, teve participação no crime. Diogo Nascimento Pinto teve prisão preventiva decretada e está foragido. A polícia afirmou que ele não foi o motociclista que efetuou os disparos no carro da jornalista, mas que ele teve envolvimento no atentado.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!



Solange estava com a equipe de campanha em um carro blindado quando foi alvo de um atentado a tiros. O ataque ocorreu na Avenida Minas Gerais, a Linha Vermelha, na Vila São Jorge. Um motociclista disparou quatro vezes contra o veículo onde estava a jornalista.


Segundo o delegado Renato Mazagão Júnior, o policial militar rodoviário que foi preso ainda em novembro, suspeito na participação do crime, indicou a participação de Diogo. Segundo a polícia, ele não era o autor dos disparos contra o carro da jornalista.


"Investigamos mais a fundo e concluímos que ele participou do crime. Ele não era o motociclista, mas teve participação. A investigação continua até para saber o motivo desse atentado", declarou Mazagão, em entrevista para a TV Tribuna.


  Foto: Carlos Nogueira/AT

Diogo causou um grande alvoroço quando no dia 14 de novembro, véspera das eleições no 1º turno. Ele se apresentou na delegacia de São Vicente dizendo ser o autor dos disparos contra o carro em que estava Solange.


À época, equipes da 3ª Delegacia de Homicídios o desmacarou, indicando que ele não era o atirador, conforme relatou em depoimento. Ele contou uma versão que não coincidia com os fatos já apurados pela polícia.


A cena chamou a atenção pois ele se apresentou quando não poderia ser preso devido à legislação eleitoral e, também, pelo fato de que várias pessoas tomaram conhecimento da apresentação espontânea deste homem antes mesmo de sua chegada à unidade policial ou logo após ele ingressar na repartição.


Agora, com um novo avanço das investigações, a polícia decretou prisão preventiva contra Diogo. Ele é considerado foragido.


Suposto suspeito que se apresentou à polícia foi denominado como um falso atirador no último sábado
Suposto suspeito que se apresentou à polícia foi denominado como um falso atirador no último sábado   Foto: 14

Escolta


Policiais da 3ª Delegacia de Investigações sobre Homicídios apuraram que o Hyundai ix35 preto do policial rodoviário circulou por tempo razoável no perímetro do atentado. O crime aconteceu na Avenida Minas Gerais, mais conhecida por Linha Vermelha, na Vila São Jorge, em São Vicente, às 10h14 da última quarta-feira (11). O suspeito alegou que iria realizar “troca de óleo” do carro.


De acordo com as filmagens, a impressão ou a suspeita, pelo menos, é a de que o Hyundai ix35 escoltava o veículo do atirador. Após a identificação do carro e do seu dono, o delegado Renato Mazagão Júnior requereu à Justiça a sua prisão temporária e teve o pedido deferido. Por se tratar de crime hediondo, o prazo dessa custódia cautelar pode ser renovado mais uma vez, por igual período, se for imprescindível às investigações.


O patrulheiro rodoviário não foi encontrado em sua casa, em Mongaguá, na manhã desta quarta-feira (18). A sua prisão ocorreu no quartel da Polícia Militar localizado na Avenida Coronel Joaquim Montenegro, na Ponta Praia, em Santos, onde ele compareceu para realizar exame médico. A Corregedoria da PM foi acionada pela Polícia Civil para participar do cumprimento da ordem de captura.


Ele cumpriu prisão temporária de 30 dias, também teve a prisão convertida para prisão preventiva e segue detido no Presídio Militar Romão Gomes, na Zona Norte de São Paulo.


Solange na saída da delegacia após ter sofrido atentado no dia 11 de novembro
Solange na saída da delegacia após ter sofrido atentado no dia 11 de novembro   Foto: Vanessa Rodrigues/AT

Logo A Tribuna