Falso médico preso em Praia Grande vai depor em CPI de Saúde

Requerimento foi aprovado pela Assembleia Legislativa (Alesp), que pedirá autorização à Justiça para que suspeito seja interrogado pelos deputados estaduais

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Quarteirizações na Saúde no Estado de São Paulo aprovou um requerimento convocando o falso médico que atuou em unidades de Praia Grande e Guarujá. O pedido partiu do deputado estadual Wellington Moura (Republicanos). A data de quando ele irá depor ainda não foi confirmada. Para que o suspeito apresente a sua versão, a Assembleia Legislativa (Alesp) pedirá autorização para que ele possa depor durante os trabalhos no colegiado. 

LEIA MAIS

>> MP cobra indenização de R$ 500 mil da gestora do Hospital Irmã Dulce por caso do falso médico

>> Falso médico é preso em Praia Grande atendendo pacientes com Covid-19

Caso haja a autorização judicial, a oitiva ocorrerá de forma online, como já são realizados os encontros da CPI. Indiciado por exercício ilegal de Medicina e falsidade ideológica, Sérgio Raimundo Oliveira Ribeiro está detido. Contra ele, pesa acusações de familiares de ser responsável pela morte de pacientes com coronavírus nas unidades. O falso profissional usava documentos de um oftalmologista colombiano para atuar na região.  

De acordo com o parlamentar, a convocação do falso profissional deve elucidar como ele foi contratado para atuar no Hospital Irmã Dulce, em Praia Grande. Uma das linhas de investigação aponta eventual participação de funcionários de organização social na fraude. Também se há outros falsos médicos com vínculo trabalhista na unidade de Praia Grande. 

Ministério Público 

O Ministério Público de São Paulo ajuizou ação por dano moral social devido à contratação e atuação do falso médico. O pedido inicial cita cifras de R$ 500 mil a ser revertida para o Fundo Estadual de Defesa dos Interesses Difusos Lesados.  

Tudo sobre: