EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

18 de Novembro de 2019

Ex-candidata a vereadora sobrevive após levar tiro na cabeça em frente de casa em Peruíbe

Lúcia de Oliveira Cerino, a Lúcia Minerinha, sofreu um atentado em frente a sua casa por dois homens encapuzados

Técnica em enfermagem e ex-candidata a vereadora, Lúcia de Oliveira Cerino, de 47 anos, levou um tiro na cabeça em frente à sua casa, em Peruíbe, e sobreviveu ao atentado. Dois homens encapuzados cometeram o crime e fugiram. O motivo da tentativa de execução ainda é ignorado.
Sem perder a consciência, a vítima relatou a policiais militares que eram cerca de 19h30 de quinta-feira (17) quando uma pessoa a chamou na frente de sua residência, situada na Estrada da Barreira.

Ao abrir o portão da moradia, a mulher se deparou com dois homens encapuzados. Um ficou atrás dela e disparou contra a sua nuca. A bala percorreu entre o crânio e o couro cabeludo, até sair pelo topo da cabeça.

Os criminosos fugiram em seguida e Lúcia retornou à residência, trancando-se por dentro. Bastante assustada, ela só abriu a porta aos policiais militares, que providenciaram a sua remoção à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Peruíbe.

Enquanto era levada à UPA, a vítima afirmou não ter condições de reconhecer os autores do atentado, mas disse que identificou a “voz” de um deles. Lúcia também relevou ter sido ameaçada por outro homem, que comprou dela algumas roupas e não pagou.

Suspeitos negam

Com base nas pistas fornecidas pela técnica em enfermagem, outros PMs localizaram os suspeitos. Ambos negaram qualquer participação no atentado e foram liberados. O delegado Edinilson Mattos, da Delegacia de Peruíbe, os mencionou no boletim de ocorrência como “investigados”.

O homem identificado pela voz se encontrava em uma igreja. Ele disse que chegou ao local antes das 19 horas, quando começou o culto. Já o suposto desafeto estava em casa e declarou que nunca ameaçou a vítima, embora tenha se desentendido com ela há cerca de dois anos, devido a um serviço de pedreiro que prestou.

Com o nome político de Lúcia Minerinha, a vítima concorreu em 2016 a uma cadeira na Câmara dos Vereadores de Peruíbe, pelo Partido Social Democrata Cristão (PSDC), mas não se elegeu. Ela recebeu apenas 17 votos.

Caso foi registado na Delegacia de Peruíbe (Foto: Reprodução/Google)

 

Tudo sobre: