Dono de ferro-velho é preso por receptar peças de linhas férreas em Cubatão

Quantidade de material clandestino era tão grande que foi necessário caminhão para transportá-lo

Por: Eduardo Velozo Fuccia  -  11/11/18  -  11:00

Dono de um ferro-velho na Vila Esperança, em Cubatão, Durval Ortega, de 58 anos, foi preso em flagrante por comprar grande quantidade de componentes metálicos de linhas férreas de origem criminosa.


Para coibir diversos furtos em linhas férreas que cortam Cubatão, policiais do 3º DP do município foram sexta-feira (9) ao estabelecimento de Ortega, localizado na Avenida Marginal Imigrantes, 565.


Os policiais Fábio Mendes, André Arcanja e César Fernandes já investigavam esses furtos e suspeitavam que um dos receptadores seria Ortega, mas se surpreenderam com a quantidade de peças apreendidas.

Homem comprou metais de linha férrea que foram roubados (Foto: Divulgação/ PM)




Sem possuir qualquer autorização ou alvará, o ferro-velho de Ortega funcionava em “total clandestinidade”, disse Mendes. Segundo ele, foi necessário um caminhão para transportar todo o material apreendido.


No comércio do acusado foram recolhidos 7.490 parafusos com arruelas, 2.137 grampos de fixação, 428 placas de apoio e 11 barras de trilho. Os materiais foram avaliados em R$ 56.513,44.


Um representante da Rumo Logística foi acionado. Ele reconheceu os componentes metálicos como sendo de linhas férreas operadas pela empresa em Cubatão. O material foi restituído ao funcionário.


O dono do ferro-velho não soube informar de quem adquiriu as peças metálicas da Rumo, alegando ignorar a procedência criminosa delas. Segundo declarou, acreditava se tratar de “meras sucatas”.


O delegado Raphael Peixoto Barazal Teixeira autuou Ortega por receptação qualificada – aquela cometida no exercício da atividade comercial, ainda que clandestina. O crime é inafiançável e punível com reclusão de três a oito anos.


Apontados como autores de pelo menos um furto, cinco homens já estão identificados e deverão ser indiciados em inquérito. No último dia 2, eles foram surpreendidos por policiais militares cortando trilhos na linha férrea paralela à Rua 25 de Dezembro, na Vila Natal.


O grupo utilizava maçarico e alegou que realizava o corte dos trilhos autorizados por um funcionário da Rumo responsável pela manutenção da linha férrea. Posteriormente, apurou-se que nunca foi dada qualquer autorização aos suspeitos, mas eles já haviam sido liberados por falta de provas.


Logo A Tribuna