EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

13 de Julho de 2020

Chuva um pouco mais forte faz teto de distrito policial desabar em Santos

Apesar do susto, nenhum funcionário ficou ferido com o desabamento

No estado mais rico da federação, o teto da sala de um escrivão do 2º Distrito Policial de Santos desabou, danificando mesas, monitor, escâner, impressora etc. Por sorte, o funcionário ou quaisquer outras pessoas, como vítimas e testemunhas, não se encontravam no recinto, porque a repartição se encontrava fechada.

O episódio aconteceu entre a noite da última sexta-feira (26) e a madrugada de sábado. A cidade registrou chuva no período e o prédio do 2º DP apresenta infiltração crônica, provável causa do desabamento. A sala cujo teto caiu fica no pavimento superior, onde se verificou mais problemas.

A cozinha e a sala de outro escrivão também localizadas neste piso apresentavam fortes goteiras nas luminárias, representando potencial risco de curto-circuito e incêndio. Porém, goteiras e rachaduras nas paredes são imagens corriqueiras em toda a unidade, que já abrigou a desativada cadeia feminina de Santos.

Objetos apreendidos e documentos relacionados a inquéritos policiais não chegaram a ser perdidos, conforme levantamento de funcionários. O 2º DP funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 20 horas. Ele fica na Avenida Waldemar Leão, 252, e a sua área abrange o Jabaquara, a Vila Belmiro, o Campo Grande, o Marapé e parte da Vila Mathias.

Procurado nesta terça-feira (30) pela Reportagem, o delegado Alexandre Aranha, titular do 2º DP, não quis comentar o assunto. Apenas disse que comunicou de imediato os superiores e que as medidas necessárias para resolver os problemas começaram a ser adotadas desde a constatação do desabamento, ainda no sábado.

‘Retrato agonizante’

“Esta imagem é o retrato agonizante da Polícia Civil paulista. Delegacias estão caindo aos pedaços e em muitas delas faltam policiais, estrutura, viaturas, armas. Mais um exemplo do descaso do Governo do Estado com a Segurança Pública”, disse Raquel Kobashi Gallinati Lombardi, presidente do Sindicato dos Delegados de São Paulo.

Infiltrações causadas pela chuva ocasionou o desabamento (Foto: AT)
Tudo sobre: