Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

ONG realiza 'Operação Verão Limpo' em praias paradisíacas do litoral de SP

Projeto visa diminuir o impacto causado pelo micro lixo e levantar dados sobre a situação

Por: Por ATribuna.com.br  -  20/02/21  -  19:39
Projeto visa diminuir o impacto causado pelo micro lixo e levantar dados sobre a situação
Projeto visa diminuir o impacto causado pelo micro lixo e levantar dados sobre a situação   Foto: Divulgação

A Organização Ecologia em Movimento irá realizar, entre fevereiro e março, a "Operação Verão Limpo" em praias de reservas estaduais e desertas do litoral de SP. Este é o quinto ano de mutirões realizados pela ONG, com equipe de voluntários, a fim de preservar as praias em relação ao micro lixo gerado durante a alta temporada.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Devido a pandemia, a organização mudou o formato da atividade, para que não gere aglomeração. O novo formato restringe às reservas estaduais do Parque Xixová-Japuí, praias de Paranapuã e Itaquitanduva em São Vicente e Parque Itinguçú, nas praias Guarauzinho, Arpoador, Parnapoa, Brava e Juquiazinho em Peruíbe, que são mais paradisíacas e preservadas por conta do acesso restrito.


A novidade é a atuação no litoral norte de SP. Uma equipe de professores e estudantes, seguindo todos os protocolos contra a covid 19, atuarão nas praias da Enseada como Prainha e Praia da Tatuíra. A agenda se inicia em 28 de fevereiro na praia de Paranapuã, em São Vicente, e em São Sebastião na prainha da Enseada. Já em 21 de março o trabalho será realizado na Praia da Tatuíra, em São Sebastião, e Itaquitanduva, em São Vicente. A agenda será finalizada em Peruíbe (entre os dias 27 e 28) na reserva do Itinguçu.


Lixo do Verão


Devido ao aumento dos banhistas nas praias da região em alta temporada, o consumo local nas areias geram impacto ambiental silencioso e muitas vezes não resolvido, conhecido como 'lixo do verão'. A Ecomov atua desde 2017 com a agenda e propôs a criação da Lei dos canudos em São Vicente junto a Câmara Municipal, que foi sancionada em 2019 (Lei 3836-A de 10.9.18), mudando a comercialização dos canudos para biodegradáveis e orgânicos.


Lei do Plástico


A organização fez um levantamento desde 2017 nas praias da região entre as cidades de São Vicente, Santos, Praia Grande, Itanhaém, Peruíbe e Guarujá onde aponta o grande impacto causado nas praias que acabam afetando a biodiversidade marinha. O micro resíduo ou fragmentos de plástico vindo do consumo de alimentos nas praias como canudos, embalagens de canudos, tampinhas de garrafa pet, material de alta densidade, invólucros de uso de drogas são os mais registrados. Em 2019, a Ecomov registrou mais de 1,5 mil canudos nas praias e mais de 3 mil fragmentos das embalagens dos canudos.


''A maior dificuldade é conscientizar a população visitante ou morador da cidade em descartar corretamente, pois a quantidade de micro lixo descartado e deixado nas praias são maior do que a de animais ocorrentes na mesma localidade como nas encostas próximo de ilhas e aia como de São Vicente'', afirma Rodrigo Azambuja, coordenador de Campanha da entidade.


Além disso, a ONG vem atuando na criação da mesma lei em outras cidades da região. ''Estamos protocolando pedido em base a esses estudos nas cidades de São Vicente, Praia Grande e Itanhaém a criação da lei do plástico nas praias onde muda o material comercializado para biodegradável e orgânico, menos agressivo ao ambiente natural e menos persistente devido a sua dissolução em contato com água e efeitos da luz solar acabam sendo absorvido pelo meio ambiente'', afirma a Bióloga e Gestora Juliana Teixeira Gonçalves.


A Operação Verão Limpo terá equipe de estagiários de universidade local e equipe técnica da organização, também com apoio de equipe de monitoria das reservas e apoio de serviços como de barqueiros e monitores cadastrados.


''Os dados levantados em reservas serão muito importantes para finalizar esse processo de petição das leis pois muitos materiais descartados nas praias acessíveis acabam deslocando para essas áreas preservadas impactando a biodiversidade como aves marinhas entre elas os atobás, muito presentes nas reservas e animais marinhos como tartaruga-verde (chelonia mydas)'', afirma a bióloga.


Maiores informações sobre as ações podem ser obtidas com dos coordenadores Juliana Teixeira (Litoral Centro) (13) 99602-6260, Uiara Setúbal (13) 99646-4321(Litoral Sul) e Carla Moreira (13) 99175-3451 (Litoral Norte).


Logo A Tribuna