EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

22 de Outubro de 2019

Um em cada cinco brasileiros fez uso do cheque especial no último ano

A facilidade em se obter o recurso e a diminuição da renda familiar explicam o crescimento dessa modalidade

Um em cada cinco brasileiros fez uso da modalidade de crédito mais cara do mercado nos últimos 12 meses: o cheque especial. E nem sempre recorrer a esse tipo de empréstimo vinculado ao limite na conta-corrente se deu de forma espontânea. É o que revela pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).  

Conforme o levantamento, que ouviu 805 pessoas no País, o índice de consumidores que utilizaram o cheque especial em algum momento (20%) superou em três pontos percentuais o estudo anterior (17%). A análise serve de alerta aos consumidores sobre as armadilhas embutidas nesse tipo de crédito que, segundo especialistas, pode se tornar o vilão das finanças.  

O cheque especial é uma linha de crédito pré-aprovada oferecida pelos bancos e utilizada de forma automática pelo cliente quando não há saldo suficiente para cobrir os débitos em sua conta bancária.  

Em média, os juros cobrados são de 320% ao ano, superiores inclusive ao cartão de crédito rotativo, segundo o Banco Central. A facilidade em se obter o recurso e a diminuição da renda familiar explicam o crescimento dessa modalidade. 

A pesquisa mostra também que 40% dos usuários do cheque especial têm o hábito de utilizar o saldo extra todos os meses. E quase a metade desse público (48%) faz parte das classes C, D e E. Outros 30% de clientes recorreram à modalidade a cada dois ou três meses e 27% pelo menos três vezes no ano. 

Facilidade traiçoeira 

O coordenador do Procon-Santos, Rafael Quaresma, destaca que o cheque especial é ágil a quem precisa do dinheiro para alguma eventualidade. Contudo, essa facilidade tem custo elevado: taxa média 26,7% ao mês, conforme o Banco Central.  

“É o dinheiro mais caro que se tem no mercado de consumo, justamente pela praticidade que ele é emprestado e utilizado”. 

De acordo com o levantamento, apenas 24% das pessoas que usaram o cheque especial no último ano solicitaram o crédito de forma espontânea. Ou seja, mais de três em cada quatro usuários usaram o limite extra sem a solicitação direta à instituição financeira.  

Entre as motivações para recorrer aos valores, as pessoas listam imprevistos com doenças ou compra de medicamentos (25%), descontrole no pagamento de contas (25%), boletos a vencer (23%) ou necessidade repentina de manutenção do automóvel ou moto (18%). 

Tudo sobre: