Sindicalistas da Baixada Santista discutirão extinção do Ministério do Trabalho

Encontro está marcado para o próximo dia 28 de novembro, na sede do Sintraport

Por: Da Redação  -  09/11/18  -  11:44
Interessados precisam comparecer à sede do PAT com a documentação necessária
Interessados precisam comparecer à sede do PAT com a documentação necessária   Foto: Divulgação

Preocupado com o provável fim do Ministério do Trabalho e Emprego, anunciado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, o Conselho Sindical Regional da Baixada Santista, Litoral Sul e Vale do Ribeira reuniu-se nesta quinta-feira (8) para discutir a situação.


“Temos que saber qual a proposta do Governo para as atribuições dessa pasta. Como serão feitas as mediações, as mesas redondas, as fiscalizações”, afirma Adilson Carvalho de Lima, presidente do Sindiminérios.


O presidente do Sindicato dos Químicos, Herbert Passos Filho, defende que as ações sejam mais didáticas para os trabalhadores. “Temos que traduzir a funcionalidade do Ministério do Trabalho, cabe a nós demonstrar às pessoas os direitos que eles vão perder”.


Além de fiscalizar o cumprimento das regras trabalhistas, a pasta também é responsável, entre outra coisas, pelo registro da convenção coletiva de trabalho, pelo FGTS e pelo Fundo de Apoio ao Trabalhador (FAT). É deste último que sai a grana para custear o seguro-desemprego.


Para definir as medidas que serão adotadas pelas categorias, uma plenária com representantes de todos os sindicatos da região está marcada para o dia 28 de novembro, às 10 horas, na sede no Sindicato dos Operários e Trabalhadores Portuários em Geral nas Administrações dos Portos e Terminais Privativos e Retroportos (Sintraport), que fica na Rua General Câmara, 258, no Centro de Santos.


Logo A Tribuna