EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

16 de Outubro de 2019

Juros da casa própria terão corte agressivo

Expectativa é que taxas caiam em um terço

O Governo Federal anunciará na próxima terça-feira (20) novas linhas de crédito da casa própria com juros mais baixos. A promessa é do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, feita durante live de Jair Bolsonaro na noite desta quinta-feira (15), nas redes sociais.

Segundo o portal UOL, a redução dos juros será de quase um terço – de até 31,5% sobre as taxas atuais. 

A queda se dará com base na troca do fator de remuneração do banco, de acordo com Guimarães. 

Para implantar a medida, a instituição lançará linhas pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH) com custo indexado ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), em substituição à Taxa Referencial (TR).

Guimarães afirmou à reportagem que o Banco Central e o próprio Conselho Monetário Nacional (CMN) já aprovaram essa mudança. 

O IPCA está no momento em 3,22%, sem tendência de elevação acentuada e a previsão é que continue moderado no próximo ano. Porém, os contratos são de longa duração, de mais de 30 anos, e o governo precisa explicar se eventual disparada da inflação incidirá sobre as correções. 

Nos contratos atuais, as taxas são corrigidas pela TR, no momento zerada, mais a remuneração do banco, que varia de 8,5% a 9,5%. A intenção seria cortar a taxa em um terço nos próprios juros do banco. 

“A Caixa vai anunciar uma coisa que mudará a vida dos brasileiros. A gente vai mudar a história do crédito imobiliário”, afirmou Bolsonaro. 

O presidente do banco estatal disse que na quinta-feira o CMN promoveu uma reunião extraordinária no Ministério da Economia. Após este encontro do conselho, foi divulgada apenas uma resolução, ligada ao financiamento de produtores de arroz.
“Estamos focando no setor imobiliário”, disse Guimarães a jornalistas no início da noite de quinta-feira.

Segundo ele, as linhas de crédito imobiliário indexadas a índices de inflação serão aplicadas assim que o banco estiver preparado para atender os clientes. Bolsonaro, porém, disse que fará o anúncio na próxima terça. 

“Certamente, a taxa de juros do crédito imobiliário indexado ao IPCA será bem menor”, acrescentou Guimarães.

Governos Dilma e Temer

No Governo Dilma Rousseff, o banco começou a reduzir o crédito da habitação por falta de recursos. Desde Michel Temer, a instituição fez ajustes agressivos, com alta dos juros, com a concessão de crédito sendo retomada aos poucos. Porém, a falta de confiança e o medo do desemprego desestimulou a tomada do empréstimo pelo trabalhador.