Dólar sobe para R$ 5,22 com indefinição sobre ICMS de energia

No mercado de ações, a Bolsa caiu pelo segundo dia seguido

Por: Agência Brasil  -  12/08/21  -  01:30
  O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (11) vendido a R$ 5,221
O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (11) vendido a R$ 5,221   Foto: Unsplash

Em um dia marcado por dúvidas sobre a tributação das contas de luz, o dólar subiu, contrastando com o otimismo no mercado externo. Numa sessão volátil, a bolsa de valores iniciou o dia em forte queda, passou a subir, mas não sustentou a alta e fechou com leve baixa.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (11) vendido a R$ 5,221, com alta de R$ 0,025 (+0,47%). Influenciada por notícias internacionais, a cotação iniciou a manhã em queda, chegando a R$ 5,16 na mínima do dia, por volta das 9h45. A moeda, no entanto, reverteu o movimento e passou a subir no fim da manhã, até voltar a fechar acima de R$ 5,20.


A divisa acumula alta de 0,21% em agosto. Em 2021, a valorização chega a 0,62%.


No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 122.056 pontos, com recuo de 0,12%. O indicador chegou a cair 1,11% por volta das 11h30. À tarde, recuperou-se e subia 0,44% por volta das 14h30. O índice, no entanto, perdeu força e voltou a ficar negativo perto do fim da sessão.


Fatores internos provocaram instabilidade no mercado nesta quarta-feira (11). Pela manhã, o dólar passou a subir após declarações do presidente Jair Bolsonaro de que o governo estuda uma medida para proibir a cobrança de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre as bandeiras tarifárias de energia. O presidente deu a declaração durante a assinatura de medida provisória que autoriza a venda direta de etanol aos postos de combustíveis.


As discussões em torno da proposta de emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios também afetaram o mercado. Além de poder resultar em novas despesas fora do teto de gastos, a proposta prevê mudanças na regra de ouro, espécie de teto para endividamento. As negociações em torno da reforma tributária também afetaram as negociações. O texto-base da reforma do Imposto de Renda deve ser votado hoje.


O cenário interno ofuscou as notícias internacionais. Nos Estados Unidos, os índices Dow Jones (das empresas industriais) e S&P 500 (das 500 maiores empresas) fecharam em máximas históricas, após a divulgação de que a inflação ao consumidor norte-americano desacelerou de 0,9% em junho para 0,5% em julho. Inflação mais baixa aumenta as chances de o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) retirar os estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19 apenas no fim de 2022.


Tudo sobre:
Logo A Tribuna
Newsletter