EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

22 de Setembro de 2019

Acordos com poupadores que sofreram perdas em planos econômicos não engrenam

Dos 500 mil investidores com ações na Justiça, só 42 mil se cadastraram e receberam valores

O prazo para poupadores reaverem as perdas com os planos econômicos Bresser (1987), Verão (1989) e Collor 2 (1991) termina em março de 2020, mas o ritmo de adesão ao acordo está lento em todo o país. Somente 8,5% das pessoas aceitaram a proposta e já estão com dinheiro no bolso.

Dos 500 mil investidores com ações na Justiça, 87 mil começaram a fazer o cadastro e não terminaram e 42 mil se cadastraram e receberam os valores por meio dessa negociação.

Outros 5.605 pedidos estão em análise pelos bancos e, em 2.284 casos, falta somente o cliente aceitar a quantia informada pela instituição financeira. Os dados são da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

A medida foi homologada no Superior Tribunal Federal (STF) em março de 2018, após conversas entre bancos, associações de defesa do consumidor e Governo Federal.

O valor proposto pelo setor financeiro e as dificuldades em navegar pela plataforma criada para adesão via internet são considerados obstáculos para os investidores.

“O fluxo não tem sido o esperado por conta de problemas operacionais, mas os bancos têm buscado outros caminhos”, avalia o advogado do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Walter Moura.

Mutirões

Agora, muitas instituições financeiras têm partido para mutirões tentando acelerar a finalização dessas ações. Pelo menos 18 mil pessoas fecharam acordo dessa forma no país. É o que a Caixa Econômica Federal vem fazendo na Justiça Federal, em Santos, onde pelo menos mil processos podem ser alvo de negociação. Porém, os valores não estão agradando.

A empreendedora Roberta Cavallini nem participou da audiência, nesta quinta-feira (22), por conta disso. Ela ingressou com um processo há mais de dez anos e aguarda uma decisão judicial.

“Eles não tinham de retirar o que é direito nosso. O que deveriam fazer é converter o valor e corrigi-lo da forma correta. Fiquei desanimada com os valores nesse acordo”.

A advogada e prima dela, Sabrina Cavallini, afirma que a quantia oferecida pela Caixa é de R$ 397,21. Os cálculos estão sendo finalizados, mas a estimativa é que o valor seja bem maior que o informado pelo banco.

“O problema é que o índice de correção utilizado na ação é bem diferente do que os bancos estão aplicando. Para o Plano Bresser, por exemplo, nos nossos cálculos seriam 26,06% e, para eles, 0,042%. No Verão, seriam 42,72% contra 4,09% para eles”.