Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

China começa a usar testes retais para detectar Covid-19

Médico explica que exame através do ânus 'aumenta a taxa de detecção de pessoas infectadas' pois o coronavírus permanece mais tempo no ânus que no nariz ou garganta

Por: Por ATribuna.com.br  -  27/01/21  -  20:18
China restringiu ainda mais a entrada de viajantes ao país
China restringiu ainda mais a entrada de viajantes ao país   Foto: Pixabay

A China passou a utilizar testes retais na detecção de Covid-19 em viajantes que chegam ao país e também em pessoas de grupos de risco. De acordo com a impresna local, os chineses têm conseguido conter a pandemia através de testes feitos em massa e ativação do lockdown onde novos casos aparecem. Porém, nas últimas semanas, surtos locais têm feito com que as autoridades de saúde aumentem a quantidade de testes pelo método PCR retal para permanecerem com controle rígido sobre a doença no país.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Nos exames do tipo PCR, as amostras geralmente são retiradas do fundo do nariz ou garganta. Mas, a China tem utilizado recentemente o teste retal, de acordo com a emissora pública CCTV. A medida também está sendo imposta para as pessoas que estão em quarentena obrigatória nos hotéis, incluindo viajantes do exterior.


O médico Li Tongzeng, do hospital You'an, em Pequim, disse à CCTV que o teste retal "aumenta a taxa de detecção de pessoas infectadas" pois, segundo ele, o coronavírus permanece mais tempo no ânus do que no trato respiratório. Apesar disso, esse tipo de teste não será generalizado por "não serem práticos o suficiente".


"Levando em conta que coletar swab anal não é tão conveniente quanto os de garganta, no momento apenas grupos-chave, como aqueles em quarentena, recebem ambos", afirmou Tongzeng. Mais de mil crianças em idade escolar e professores já foram testados em Pequim pelo teste PCR através do ânus, pela garganta e pelo nariz na semana passada, além de fazer o teste de anticorpos, de acordo com a Bloomberg. Os exames foram feitos após a descoberta de um caso assintomático, de acordo com autoridades locais.


Nesta segunda-feira (25), passageiros de um voo de Changchun para Pequim passaram também pelo teste. Eles tiveram que desembarcar depois que autoridades descobriram que uma pessoa de uma área considerada de alto risco para transmissão do vírus estava a bordo. Segundo a Bloomberg, esses passageiros foram levados a um hotel, onde os profissionais de saúde coletaram amostras de nariz e também do ânus.


Nas redes sociais, chineses têm reagido aos testes. "Não é muito doloroso, mas é super humilhante", disse um usuário da rede social Weibo.


Restrições


A China já havia restringido severamente os voos internacionais desde março do ano passado. Recentemente aumentou ainda mais a restrição. Todas as pessoas que pretendem entrar no país devem apresentar dois testes negativos (PCR e sorológico) antes do embarque e, na chegada, precisam ficar em quarentena por pelo menos 14 dias em um hotel.


Nesta quarta-feira (27), Pequim passou a restringir ainda mais a entrada de viajantes, e exigir teste negativo de Covid-19 mesmo de quem vier de regiões do país onde há baixa incidência da doença.


Após a chegada, os autorizados a entrar devem monitorar sua saúde por 14 dias, embora possam se locomover livremente, e serão feitos testes de Covid-19 no 7º e no 14º dia após a chegada. Viajantes de áreas de risco médio ou alto estão proibidos de entrar na capital chinesa.


*Com informações de G1


Logo A Tribuna