Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Anvisa rejeita parte da documentação da CoronaVac e pede mais informações ao Butantan

Parte dos documentos não foi aceito pela agência reguladora

Por: Por ATribuna.com.br  -  09/01/21  -  22:22
A desconfiança entre a cúpula da Anvisa e o governo paulista é mútua
A desconfiança entre a cúpula da Anvisa e o governo paulista é mútua   Foto: Frederico Brasil/Futura Press/Estadão Conteúdo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) rejeitou uma parte da documentação do Instituto Butantan para que seja feita a análise do pedido de uso emergencial da CoronaVac. A vacina contra a Covid-19, doença causada pelo coronavírus, é desenvolvida em uma parceria com a Sinovac. A informação foi divulgada neste sábado (9).


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Segundo a Anvisa, não foram aceitos “os resultados da análise interna de desfecho primário do estudo clínico de fase 3”. Segundo divulgado pelo Valor Econômico, estes dados comprovam a eficácia acima dos 50% da vacina, que de acordo com o que foi divulgado pelo Butantan na última semana, teria eficácia de 78%.


O laboratório brasileiro foi informado sobre o pedido de maiores informações na manhã deste sábado e, somente após a apresentação dos dados faltantes, a Anvisa poderá se manifestar sobre a vacinação da população.


A Anvisa ainda informou que os documentos técnicos são necessários para que seja viabilizada a avaliação, conclusão e deliberação sobre a autorização de uso emergencial das vacinas, ou seja, a confiabilidade da vacina depende destas informações.


A Anvisa também se manifestou sobre os dados analisados, apresentados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), das vacinas da farmacêutica AstraZeneca e Universidade de Oxford. Segundo a agência, os dados são suficientes para o prosseguimento da análise.


Após a apresentação dos dados, a Anvisa terá dez dias corridos para se manifestar. A Anvisa não informou se a ausência dos dados da Coronavac poderá prejudicar esse prazo.


*Com informações do Valor Econômico


Logo A Tribuna