Mourão assume derrota, critica golpismo e fala em voltar 'mais forte' em 2026

Em uma publicação no Twitter, o general disse que existe hoje um "sentimento de frustração"

Por: Estadão Conteúdo  -  02/11/22  -  20:27
 Mourão disse estar frustrado com o resultado das eleições
Mourão disse estar frustrado com o resultado das eleições   Foto: Alan Santos/PR

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou nesta quarta-feira, 2, que o golpe militar pedido nas ruas por apoiadores do governo deixaria o País "numa situação difícil" e que é preciso voltar "muito mais fortes" em 2026.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Em uma publicação no Twitter, o general disse que existe hoje um "sentimento de frustração" causado anos atrás quando "aceitamos passivamente" a "escandalosa manobra jurídica" que permitiu a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o presidente eleito.


"Agora querem que as Forças Armadas deem um golpe e coloquem o País numa situação difícil perante a comunidade internacional", comentou o militar.


Mourão propôs um manifesto que explicaria a força de movimentos à direita para "bloquear pautas puramente esquerdistas".


"Está na hora de lançar um manifesto explicando isso e dizendo que temos força para bloquear as pautas puramente esquerdistas, além de termos total capacidade de retornarmos muito mais fortes em 2026. Precisamos viver para lutar no dia seguinte", publicou


O vice ainda citou frase atribuída ao ex-primeiro-ministro do Reino Unido Winston Churchill que recomenda "altivez na derrota"


Eleito senador pelo Rio Grande do Sul, Mourão já instruiu servidores da vice-presidência a facilitarem os trabalhos da transição. Sem que Bolsonaro reconheça publicamente a vitória de Lula, o general já conversou com seu futuro sucessor, Geraldo Alckmin (PSB), no primeiro contato entre autoridades da linha sucessória.


Hamilton Mourão também ganhar a atribuição de passar a faixa presidencial a Lula, em 1º de janeiro. Sem parabenizar ou citar o rival, Jair Bolsonaro dá sinais de que deve insistir no confronto com o petista e abrir mão dos ritos solenes da posse do novo presidente.


Logo A Tribuna
Newsletter