Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Mortes por covid-19 no Brasil passam da marca de 240 mil, mostra consórcio

Nas últimas 24 horas, o País registrou 55.428 novos casos confirmados

Por: Do Estadão Conteúdo  -  16/02/21  -  23:50
Atualizado em 16/02/21 - 23:59
Santos recebeu 68 notificações de casos positivos para covid-19
Santos recebeu 68 notificações de casos positivos para covid-19   Foto: Matheus Tagé/AT

O Brasil superou nesta terça-feira (16), a marca de 240 mil mortes causadas pelo novo coronavírus. O número chegou a 240.983 vítimas, com o acréscimo de 1.090 novos óbitos nas últimas 24 horas. A quantidade é alcançada pelo País em meio à pressão por mais vacinas contra a doença e preocupação quanto a variantes do vírus.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


A média móvel de mortes por covid-19 no Brasil ficou em 1.056 vítimas, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa. Esse tipo de média leva em consideração os dados dos últimos sete dias e corrige distorções provocadas pela variação nos registros. Nas últimas 24 horas, o País registrou 55.428 novos casos confirmados.


Os dados são reunidos pelo consórcio de veículos de comunicação a partir dos registros das secretarias estaduais de Saúde. O consórcio é formado peloEstadão,G1, O Globo, Extra, FolhaeUOL. No total, o Brasil já soma 9.921.339 diagnósticos confirmados.


De acordo com o Ministério da Saúde, são 8.803.191 os recuperados da doença. A pasta tem em seus registros 240.940 mortes (1.167 nas últimas 24 horas) e 9.921.981 casos (55.271 nas últimas 24 horas). Os números do consórcio diferem dos dados do ministério em razão da metodologia de coleta.


Consórcio dos veículos de imprensa


O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.


Logo A Tribuna