Ministro da Educação afirma que datas das provas do Enem estão mantidas

Aplicação dos exames em versão impressa seguem mantidos nos dias 17 e 24 de janeiro

Por: Por ATribuna.com.br  -  12/01/21  -  15:17
Ministro participou de inauguração de escola que recebeu o nome do pai, em São Vicente
Ministro participou de inauguração de escola que recebeu o nome do pai, em São Vicente   Foto: Alexsander Ferraz/AT

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou nesta terça-feira (12) que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) não será novamente adiado. A edição de 2020 do Enem foi adiada em razão da pandemia e as provas da versão impressa acabaram remarcadas para 17 e 24 de janeiro e da versão digital para 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Apesar da mudança na data, há discussões sobre a pertinência de se manter o exame, tanto por conta dos riscos de contaminação pelo coronavírus quanto pelo fato de alunos terem ficado sem aulas uma parte do ano.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Em entrevista àCNN, Ribeiro garantiu que todos as medidas de segurança contra a Covid-19 estão sendo tomadas para proteger estudantes e funcionários durante a aplicação das provas. "Não vamos adiar o Enem. Primeiro porque tomamos todos os cuidados de biossegurança possíveis. Queremos dar tranquilidade para você que vai fazer a prova, assim como aconteceu no (último) domingo, em menor proporção, claro, no exame da Fuvest", disse o ministro.


Ribeiro citou um trecho da Bíblia e afirmou que "a esperança que se adia adoece o coração" e que o governo não pode fazer isso com as expectativas dos estudantes. Ainda segundo ele, uma minoria quer o adiamento das provas. "Uma minoria, barulhenta, mas minoria."


O ministro também lamentou a morte do chefe da diretoria do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e responsável pela elaboração do Enem, o general da reserva Carlos Roberto Pinto de Souza, que morreu na segunda-feira (11), aos 59 anos, após complicações causadas pela Covid-19.


Logo A Tribuna