Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Manaus colapsa após oxigênio acabar e pacientes de uma ala inteira de Covid-19 perdem a vida

Uma ala inteira de pacientes morreu por falta de ar, diz publicação desta quinta-feira (14)

Por: Por ATribuna.com.br  -  14/01/21  -  20:03
  Foto: Estadão Conteúdo

Os casos de covid-19 voltaram a aumentar e fazer mais vítimas em Manaus, capital do Amazonas. A situação chegou a tal ponto que os hospitais estão sem oxigênio para os pacientes com a doença. De acordo com uma publicação feita nesta quinta-feira (14), há informações de que uma ala inteira de pacientes morreu sem ar. A informação é do pesquisador Jesem Orellana, da Fiocruz-Amazônia.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Ele ainda diz que tem recebido imagens e relatos de profissionais da área da saúde que trabalham na linha de frente no combate à covid retratando a realidade dos pacientes. O oxigênio acabou em locais como o Hospital Universitário Getúlio Vargas e serviços de pronto atendimento, como o SPA José de Jesus Lins de Albuquerque, segundo Orellana.


Outros profissionais da área também relataram a respeito da situação. Poucos conseguiram sobreviver sem o oxigênio, mas devem ficar com sequelas cerebrais permanentes, diz um médico. Há pacientes sendo transferidos para o estado do Piauí devido a falta de recursos.


Alguns pacientes recebem oxigenação manual, gerando mais cansaço entre a equipe médica, e outros recebem ventilação mecânica por equipamentos que exigem auxílio de uma pessoa para funcionar.


Na última terça-feira (12) o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já tinha responsabilizado o governo estadual do Amazonas e a prefeitura de Manaus por "deixar acabar" o oxigênio que seria destinado aos pacientes de covid-19. Ele disse que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, teve que viajar para a cidade para "interferir" na situação local, que segundo ele estava um "caos”.


*Com informações do Valor Econômico, Mônica Bergamo, Monica Prestes e Folhapress


Logo A Tribuna