Conexão Austrália: Natal e consumo

Nesta edição da coluna, Fabiana Marinello fala sobre como são as compras de fim de ano no país

Por: Fabiana Marinelo - De Sidney  -  21/12/18  -  18:21
  Foto: AFP

A época de Natal na Austrália é considerada um grande feriado e é, também, uma festa de consumo. Nada de especial em termos de tradição natalina. Entre a semana do Natal e o Ano Novo, muitas empresas param em férias coletivas em setores como educação, construção civil, governo e saúde. As pessoas se planejam para esta época do ano e muitos pegam a estrada (aqui é super comum as famílias acamparem). E, claro, abrem a carteira e consomem muito.


Pesquisas recentes preveem que os australianos deverão gastar cerca de US$ 11 bilhões no fim deste ano com compras natalinas. A época das compras começa em novembro, com a Black Friday, e continua até a última semana do ano com as ofertas pós Natal. Levando em conta outros tipos de gastos, como viagens e alimentação, esse valor sobe para US$ 25 bilhões, com uma média individual de gastos de US$ 1.300 por cada australiano, segundo previsão do banco local Commonwealth. Há até matérias e alertas para que as pessoas consumam de forma consciente para, depois, não terem ressaca com as dívidas.

Apesar da farra consumista e dos valores astronômicos, as vendas este ano ainda devem ser abaixo das expectativas.


Uma pesquisa descobriu que o australiano médio gastará US$ 573 em presentes para sua família, amigos e colegas de trabalho, criando um gasto nacional de US$ 10,7 bilhões.


25 de dezembro está se aproximando rapidamente, mas pesquisas do Commonwealth Bank descobriram que mais de um terço da população não está acompanhando seus gastos de Natal.


E não são apenas presentes que estão nos custando - o site de comparação de consumidores Finder.com descobriu que, ao incluir outras despesas de férias (como comida e viagem), o australiano médio gastará US$ 1.350 neste Natal.


Estudo apresentado recentemente pelos analistas econômicos da instituição financeira Morgan Stanley aponta para queda nas vendas deste ano. A possível redução será causada por alguns fatores que afetam negativamente a economia local, como a desaceleração do mercado imobiliário, falta de aumentos salariais de alguns setores e alto endividamento da população.


Tudo sobre:
Logo A Tribuna