Cartas feitas na língua tupi são traduzidas na íntegra pela primeira vez

Indígenas no século 17 trocaram as correspondências

Por: ATribuna.com.br  -  03/01/22  -  05:00
Seis cartas na língua tupi foram traduzidas para o português pelo professor Eduardo Navarro
Seis cartas na língua tupi foram traduzidas para o português pelo professor Eduardo Navarro   Foto: Arquivo/Eduardo Navarro

Seis cartas na língua tupi foram traduzidas para o português pelo professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo (USP) Eduardo Navarro. Pela primeira vez, um pesquisador conseguiu traduzir os documentos integralmente. Elas foram trocadas entre indígenas no século 17, na época da invasão holandesa na Região Nordeste.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


“Essas cartas são os únicos documentos que existem, até agora descobertos, que foram escritos por índios no Brasil colonial, não existe mais nada. Tudo o que se sabe sobre a língua tupi foi escrito por europeus. Não tivemos documentos escritos por índios a não ser essas únicas cartas”, disse Navarro.


Nas cartas, os indígenas contam sobre a guerra travada entre portugueses e holandeses. Os indígenas convertidos ao protestantismo estavam ao lado dos holandeses que invadiram terras brasileiras, que na época era colônia portuguesa, enquanto junto aos portugueses estavam os indígenas catequizados ao catolicismo.


Nas cartas, segundo o professor, Camarão pede a seus parentes Pedro Poti e Antônio Paraupaba, indígenas protestantes, que abandonassem os holandeses. Os indígenas do lado português também diziam que, caso os portugueses vencessem a guerra, os indígenas do lado holandês não seriam poupados.


“Os holandeses eram poupados para servir depois como moeda de troca, quando eram presos assim na guerra. Mas os índios não, eram todos assassinatos. E é isso que ele estava dizendo nas cartas: vem para o nosso lado enquanto vocês podem”, conta Navarro.


Tradução
Estudadas desde o século 19, Navarro explica porque só foi possível traduzi-las na íntegra agora. “Primeiro, que ortografia é difícil, esses índios eram alfabetizados em português. Agora, na hora de escrever a língua tupi, eles usavam o alfabeto latino e escreviam do jeito que ouviam, do jeito que falavam, não havia regras muito precisas e tudo isso dificulta a leitura para quem não entende bem a língua.”


A tradução será publicada no Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, de Belém (PA).

*com informações de Agência Brasil


Tudo sobre:
Logo A Tribuna
Newsletter