Sem proposta, Santos não descarta ficar com Marinho até o fim do contrato

Dependendo da oferta pelo atacante, a cúpula santista sabe que não conseguirá boa reposição

Por: Bruno Lima  -  03/12/21  -  07:11
Marinho tem contrato até o fim de 2022 e pode assinar um pré-contrato no meio do ano
Marinho tem contrato até o fim de 2022 e pode assinar um pré-contrato no meio do ano   Foto: Ivan Storti/Santos FC

Apesar de não ter brilhado ao longo de toda a temporada, o atacante Marinho segue sendo a referência técnica do Santos. O futuro do camisa 11, no entanto, é um verdadeiro ponto de interrogação, pois o contrato em vigor termina em dezembro de 2022. Para não ver o jogador sair de graça, muitos acreditam chegou a hora de vender o Rei da América de 2020. Porém, uma ala da diretoria santista entende que, dependendo do valor da oferta, é mais interessante mantê-lo no elenco.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Atualmente com 31 anos, Marinho não conseguiu repetir em 2021 o bom nível de 2020 com a camisa do Santos. E como futebol é momento, o atacante, apesar de desejado por clubes do Brasil e do mundo árabe, não está financeiramente valorizado no mercado.


Diante disso, com a necessidade de montar um elenco mais qualificado, uma parte da cúpula alvinegra já vê com bons olhos a manutenção de Marinho na Vila Belmiro.


De acordo com o apurado por A Tribuna, essa ala entende que, para negociar o atacante por cerca de 1,5 milhão de euros ou 2 milhões de euros (menos de R$ 13 milhões na cotação atual), é mais interessante ignorar a oferta, desfrutar da capacidade técnica do jogador por mais um ano, uma vez que com esse valor o clube dificilmente conseguirá uma reposição à altura, e aceitar perdê-lo no fim de 2022 de graça.


Até o momento, o Santos não recebeu uma proposta que agrade para liberar o jogador. O presidente Andrés Rueda, sempre que questionado, deixa claro que não existe atleta inegociável no elenco e, sabendo do desejo de Marinho de voltar para o mundo árabe para fazer o seu "pé de meia", não irá dificultar a saída.


Isso, contudo, desde que a proposta a ser recebida seja saudável para os cofres do clube.


Tudo sobre:
Logo A Tribuna