Santos anuncia acordo com o Krasnodar e vai se livrar do transfer ban da Fifa

Dívida pela compra do meia peruano Cueva, de cerca de R$ 22,5 milhões, será paga em quatro parcelas

Por: ATribuna.com.br  -  02/04/24  -  16:20
Atualizado em 04/04/24 - 18:52
Em 2019, Cueva atuou em apenas 16 partidas, sem marcar gol nem dar assistência
Em 2019, Cueva atuou em apenas 16 partidas, sem marcar gol nem dar assistência   Foto: Ivan Storti/Santos FC

O Santos anunciou na tarde desta terça (2) que chegou a um acordo com o Krasnodar, da Rússia, para quitar a dívida que o clube tinha em relação à compra do atacante peruano Cueva, em 2019, na gestão de José Carlos Peres. Segundo o Alvinegro, a dívida de U$ 4,5 milhões (cerca de R$ 22,5 milhões) será paga em quatro prestações até o dia 25 de junho deste ano


“A conclusão da negociação ocorreu durante uma reunião virtual na manhã desta terça-feira, que contou com a participação das diretorias dos clubes”, divulgou o Peixe, em nota.


De acordo com o Santos, a quitação vai resolver “definitivamente um antigo problema que provocou até um novo transfer ban, punição administrativa em vigência aplicada pela Fifa”.


Após a homologação do acordo, a medida imposta pela Fifa será revogada e o Santos estará livre para fazer novas contratações para a Série B do Campeonato Brasileiro. O clube poderá inscrever novos atletas até o dia 19, mas somente de atletas que atuaram nos campeonatos estaduais.




Sem deixar saudades


Contratado em fevereiro de 2019 por indicação do técnico Jorge Sampaoli, por US$ 7 milhões (cerca de R$ 26 milhões à época), na gestão de José Carlos Peres, Cueva fez apenas 16 jogos pelo Peixe e deixou o Alvinegro no início de 2020, indo para o Pachuca, do México.


O Santos, porém, não pagou o Krasnodar e a dívida ficou para a gestão seguinte, de Andres Rueda. O valor foi parcelado e somente US$ 3 milhões (atualmente, cerca de R$ 15 milhões) do total foram pagos entre 2021 e 2022.


O rompimento unilateral do contrato por parte de Cueva, ao se transferir para o Pachuca, fez o Santos entrar com uma ação na Fifa contra o jogador e o time mexicano. Em janeiro de 2023, a Corte Arbitral do Esporte deu ganho de causa ao Peixe e os mexicanos indenizaram o clube em cerca de R$ 24 milhões.


O montante entrou nos cofres santistas, mas enfrentando grave crise financeira, a gestão de Andres Rueda não quitou o restante da dívida com os russos e usou o dinheiro no fluxo de caixa, para quitação de despesas recorrentes.


Logo A Tribuna
Newsletter