Marinho comemora ano goleador e 'vira a chave' para o modo Libertadores: 'Dia 6 tem o Boca'

Atacante marcou o último gol santista no ano na partida contra o Ceará pelo Brasileirão. Camisa 11 enaltece força do grupo santista

Por: Fúlvio Feola  -  28/12/20  -  12:10
Atualizado em 28/12/20 - 12:35
Marinho comemora seu gol ao lado de Kaio Jorge na partida diante do Ceará
Marinho comemora seu gol ao lado de Kaio Jorge na partida diante do Ceará   Foto: Ivan Storti / Santos FC

A última partida do Santos no ano de 2020 não teve o resultado almejado pelo grupo. O empate em 1 a 1 diante do Ceará, neste domingo (27), na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, incomodou o atacante Marinho - autor do gol do Peixe no confronto com os cearenses.


Apesar de reprovar o placar, e o fato do time não vencer há quatro jogos na competição, o camisa 11 fez questão de enaltecer o adversário.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!


"Incomoda [empatar] porque a gente em casa tem de vencer os jogos, fazer valer o mando de campo. Mas nós jogamos contra uma equipe 'cascuda', que nos oferece dificuldades. Temos que reconhecer o adversário quando ele vai bem, com jogadores de qualidade, que poderiam estar aqui (Santos) ou qualquer outro time do Brasil. Vamos focar, continuar trabalhando", disse.


Neste jogo, Marinho conquistou uma marca histórica. Marcou seu maior número de gols em um ano. O atacante fez 22 gols em 2020. Seu maior feito havia sido em 2016, com 21 gols pelo Vitória. O jogador credencia o seu bom momento ao grupo.


"Sobre minha fase individual, eu acredito que estou vivendo esse momento de acordo com o trabalho em equipe. Sou grato a Deus por terminar o ano de 2020 bem. Almejo um 2021 com coisas maiores. E a gente continua focado no campeonato [Brasileiro] que ainda não acabou."


Marinho fez questão de lembrar que alguns cronistas esportivos acreditavam que o time lutaria contra o rebaixamento no início da temporada. O atacante fortalece o desempenho do grupo e lembra que o momento é de "virar a chave" e pensar na Libertadores da América.


"Quando começou o Brasileiro, muita gente achou que a gente ia estar em 17º lugar, mas só nós sabemos que com trabalho vamos mais longe. Agora é virar a chave, aproveitar bem esses dias de treinamento, virar a chave pensando na Libertadores. Nós não temos um elenco muito grande, o professor tem se virado com o que tem e vai tirando um, dois  ou três (jogadores). Não dá para tirar [poupar] todo mundo, pois já não temos um elenco grande. É isso, dia 6 a gente enfrenta o Boca Juniors, descansar e trabalhar", encerrou.


E o Boca Juniors será o próximo adversário do Peixe. O Santos joga no dia 6 de janeiro, em Buenos Aires, na Argentina, às 19h15.


Logo A Tribuna