Luvas e tempo de contrato emperram renovação de Dodô

Santos chega a acordo salarial com o lateral, mas ainda há o que acertar antes da assinatura do contrato

Por: Bruno Lima  -  06/01/19  -  16:00
Atleta foi titular na temporada 2018, mas corre o risco de ficar de fora em 2019
Atleta foi titular na temporada 2018, mas corre o risco de ficar de fora em 2019   Foto: Ivan Storti/Santos FC

O Santos ainda não desistiu de comprar o lateral-esquerdo Dodô, que pertence à Sampdoria, da Itália, e atuou por empréstimo na Vila Belmiro em 2018. Segundo apurado por A Tribuna On-line com a cúpula alvinegra, depois do acerto entre os clubes ser apalavrado, o jogador aceitou a proposta salarial santista. O entrave, agora, está no pagamento das luvas. O tempo de contrato também segue em discussão, entre dois ou três anos.


Caso as negociações tenham final feliz, Dodô seria, junto do goleiro Vanderlei, o jogador mais bem pago do elenco alvinegro.


Em recente entrevista, o diretor técnico da Sampdoria, Walter Sabatini, afirmou que apesar do fim do contrato de empréstimo, e, consequentemente, do término da prioridade de compra por 2 milhões de euros (cerca de R$ 8,8 milhões) estipulada em contrato, o clube italiano, por meio de um acordo de cavalheiros, aceita prorrogar o prazo.


“Oficialmente, não prorrogamos a prioridade ao Santos. A Sampdoria já pode negociar o Dodô com outros clubes. Mas ainda damos preferência ao Santos”, disse Sabatini.


Caso o Peixe e o lateral-esquerdo não entrem em acordo nas questões que faltam acertar, Dodô irá se reapresentar à Sampdoria, com quem a diretoria alvinegra já tem acerto para comprar os direitos do atleta.


OPÇÕES NO ELENCO


Se Dodô não ficar, o Santos terá que buscar um substituto no mercado. Atualmente, o técnico Jorge Sampaoli tem apenas Orinho, que em 2018 atuou por empréstimo na Ponte Preta, para posição.


No mais, o treinador argentino teria barrar as saídas de Jean Mota, em vias de se transferir ao Bahia, e do atacante Copete, que pode ser envolvido em uma negociação com o Botafogo, e improvisá-los naquele setor do campo. Do contrário, a solução teria que vir das categorias de base.


Logo A Tribuna