Federação Francesa envia representante ao Santos para observar formação de jogadores

Pierre Jacky é treinador da seleção francesa profissional de futsal e esteve nas dependências da Vila Belmiro e CT Rei Pelé

Por: Bruno Lima  -  11/12/18  -  22:12
Atualizado em 11/12/18 - 22:16
Treinador da seleção francesa de futsal fez questão de visitar o Memorial das Conquistas
Treinador da seleção francesa de futsal fez questão de visitar o Memorial das Conquistas   Foto: Nirley Sena/AT

Técnico da seleção francesa profissional de futsal há 14 anos e membro da Federação Francesa de Futebol (FFF), Pierre Jacky visitou as dependências da Vila Belmiro e do CT Rei Pelé nesta terça-feira (11) para conhecer a metodologia do Santos na transição dos garotos do futsal para o futebol de campo. De acordo com ele, o Peixe é o berço do futebol mundial e, por isso, tem muito a ensinar.


Na visão de Jacky, a forma com que o Santos integra as modalidades é única. E isso fica evidente no número de jogadores de alta classe que o Peixe revelou nos últimos anos.


“Como treinador da seleção francesa de futsal, vim para entender como o brasileiro e o Santos fazem o futsal e como tratam essa transição para o futebol de campo. O Santos é o berço do futebol mundial pela grande quantidade de jogadores que revela. Foi aqui que começaram Pelé, Neymar, Robinho e agora o Rodrygo. Mas não só por isso, e sim também pela metodologia que desenvolveu, pela forma como trabalha”, disse ele.


Ainda de acordo com Jacky, atualmente a Federação Francesa se preocupa com a formação de atletas somente a partir dos 14 anos. A sua visita ao Santos tem como objetivo entender o trabalho que o Peixe realiza no futsal com garotos ainda mais novos. Tudo isso pensando no futuro do futebol nacional e almejando novos títulos mundiais – a França conquistou o bicampeonato mundial de futebol, em julho, na Copa da Rússia.


“Nesse momento, por exemplo, não há nenhum jogador revelado no futsal no elenco da nossa seleção de futebol. Temos um polo de formação muito forte, mas só a partir dos 14 anos. Se amanhã fizermos como o Santos faz, poderemos ser grandes no futsal, o que não somos hoje, e termos grandes jogadores na seleção de futebol. Não podemos nos contentar com o título mundial e nos acomodarmos. Por isso, uma das ideias é ter um futsal de base forte e passar essa técnica para os jogadores de campo”, comentou Jacky.


Pierre Jacky conheceu a metodologia do Santos na transião de futsal para o campo
Pierre Jacky conheceu a metodologia do Santos na transião de futsal para o campo   Foto: Nirley Sena/AT

Orgulho


Supervisor do futsal do Peixe, José Alexandre, o Barata, não tem dúvidas em afirmar que a presença da modalidade na formação de jogadores como Robinho, Neymar, Gabriel e Rodrygo foi determinante para despertar essa curiosidade na FFF.


Ciente da importância e da força do futsal do Santos, em março deste ano o presidente alvinegro José Carlos Peres assinou a integração entre o Departamento de Base e o Departamento de Futsal, que antes pertencia ao Departamento de Esportes Olímpicos.


“O futsal do Santos sempre esteve muito presente na formação dos jogadores de futebol. Todas as grandes vendas realizadas pelo clube nos últimos anos são de atletas que tiveram o futsal na formação. E isso (passagem pelo futsal) faz parte mesmo do nosso processo de revelação de jogadores. Não é uma simples coincidência”.


Ainda de acordo com Barata, o fato de a torcida do Santos gostar de jogadores com características indispensáveis no futsal, como drible curto, foi determinante para que o clube fortalecesse essa metodologia. “A torcida santista gosta do atleta ousado, que joga para frente, o driblador. Ao entendermos isso, fortalecemos a nossa metodologia e investimos, porque é isso que a torcida quer ver”, falou Barata, orgulhoso com o futsal do Peixe. "Somos um modelo de pesquisa para grandes agremiações e seleções de futebol”, completou.


Logo A Tribuna