Dupla admite golpe e ressarce vítimas por 'venda' de vaga na categoria de base do Santos FC

Homens firmaram pacto com o Ministério Público para indenizar pai e filho de 19 anos

Por: ATribuna.com.br  -  10/02/24  -  17:48
Os golpistas marcaram encontro com as vítimas na loja do Santos, na Vila Belmiro
Os golpistas marcaram encontro com as vítimas na loja do Santos, na Vila Belmiro   Foto: Arquivo/PMS

Dois homens que tentaram aplicar golpe ao vender uma suposta vaga na equipe sub-20 do Santos, no ano passado, firmaram um pacto com o Ministério Público (MP) admitindo a fraude e vão ressarcir o pai de um atleta de 19 anos.


Clique aqui para seguir agora o novo canal de A Tribuna no WhatsApp!


Segundo o site Consultor Jurídico, o acordo de não persecução penal (ANPP) foi homologado pela juíza Lizandra Maria Lapenna Peçanha, da 4ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo, no dia 24 de janeiro.


No dia 5 de junho do ano passado, pai e filho, um goleiro de 19 anos, marcaram encontro com a dupla na loja do Santos, na Vila Belmiro, onde teriam recebido o “contrato”. Os nomes dos golpistas e das vítimas não foram revelados.


A vaga para entrar nas categorias de base seria vendida por R$ 15 mil e inicialmente as vítimas realizaram dois pagamentos, um de R$ 7,5 mil e outro de R$ 653,00, valor que seria usado para custear os exames médicos.


Após serem cobradas para efetuar um segundo pagamento de R$ 7,5 mil, as vítimas, desconfiadas, foram ao clube tirar dúvidas e descobriram que o contrato era falso. Identificada, a dupla de golpistas foi presa pela Polícia Civil no dia seguinte e autuada em flagrante no 2º Distrito Policial de Santos.


Em audiência de custódia, no dia 7 de junho, a prisão foi relaxada e o caso remetido a São Bernardo do Campo, onde aconteceu a negociação.


Ressarcimento


Na proposta do ANPP, os acusados foram obrigados a confessar o golpe e assumir o pagamento de reparação do dano às vítimas, no valor de R$ 8.150,00. O pagamento deve ser feito em até 120 dias e caso seja descumprido, o


Em caso de descumprimento, o MP deverá comunicar o juízo para fins da rescisão do ANPP.


Sem cobrança


À época do ocorrido, em nota, o Santos informou que não cobra valor financeiro para atletas entrarem nas suas categorias de base. “As antigas peneiras foram substituídas por processos seletivos, onde os atletas que chegam nessa etapa foram observador por profissionais que tem vínculo com o clube, como ex-atletas, observadores técnicos e membros de comissões técnica.


Logo A Tribuna
Newsletter