Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Tardelli é perseguido e sofre ameaças após eliminação do Santos: "Falaram que eu ia morrer"; VÍDEO

Jogador retornava para o hotel depois da partida na Vila Belmiro, e foi abordado por torcedores

Por: ATribuna.com.br  -  15/09/21  -  02:14
Atualizado em 15/09/21 - 07:31
 Em seu Instagram, jogador desabafou ao chegar ao hotel e disse estar muito triste com a atitude
Em seu Instagram, jogador desabafou ao chegar ao hotel e disse estar muito triste com a atitude   Foto: Reprodução/Instagram/tardelli9

O jogador do Santos, Diego Tardelli, de 36 anos, foi perseguido no trânsito e ameaçado por torcedores quando retornava ao hotel, após a partida de estreia do atacante contra o Athletico-PR, na Vila Belmiro, na noite desta terça-feira (14). O Peixe foi derrotado por 1 a 0, e acabou eliminado da Copa do Brasil.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!



Em seu Instagram, por volta de 1h30 desta quarta-feira (15), o atleta desabafou no stories, e descreveu a cena. Confira a íntegra do que foi relatado pelo atleta:


Fala pessoal, boa noite, tudo bem? Como vocês viram, acabamos de jogar há umas horas atrás, fomos eliminados, infelizmente, todo mundo ficou triste, mas eu quero contar uma cena de terror que acabei passando e jamais imaginei que fosse passar por isso.


Eu estava chegando aqui próximo ao meu hotel. Acredito que uns três, quatro carros já estavam me seguindo até eu parar no sinal, e com isso dois ou três carros me fecharam. Eu não tinha pra onde correr, e eles começaram a quebrar meu carro, chutar, amassar, falaram que eu iria morrer, aquela tortura que eles fazem quando as coisas não vão bem.


Isso me deixou extremamente triste, chateado. Acredito que pelo que eu vi, rápido, eram em torno de dez pessoas, dez torcedores, dez vândalos. A torcida tem todo o direito de cobrar, a fase do time realmente não é das melhores, mas isso não justifica, infelizmente, passar o pelo que eu passei.


Durante quinze, vinte anos de carreira, é a primeira vez que eu passo por isso, cara, e isso é muito triste. Se quiser ir no CT, ou em qualquer lugar cobrar, xingar, mas agredir, quebrar carro, tocar o terror isso não cabe mais no futebol.


E não adianta, porque não vai ter nenhuma punição. Poderia ter acontecido qualquer coisa comigo lá. A sorte é que eu encontrei um policial no caminho, e eles vieram me escoltando até a porta do hotel.


Mas estou bem, gente. Já estou aqui no hotel, no meu quarto, vou descansar agora porque amanhã tem treino, mas fica aqui a minha indignação pelo que aconteceu hoje.


Tô muito triste de verdade, não esperava esse tipo de reação da torcida, a gente já tá cansado e a gente sabe que quando as coisas não vão bem, a primeira coisa que eles fazem é isso. Alguns, né, meia dúzia, não a maioria, mas sim aqueles que não representam, né? A torcida do Santos ou outros clubes por aí. Boa noite, um grande abraço, tchau tchau.


Logo A Tribuna