Convocados para as seleções sub-17 e 23, Sandry, Felipe Jonatan e Kaio Jorge agradecem ao Santos

Os três jogadores do Peixe foram o principal assunto do último treinamento do Santos antes da partida contra o Grêmio

Por: Bruno Lima  -  20/09/19  -  21:04
Atualizado em 20/09/19 - 21:05
  Foto: Bruno Lima/AT

A sexta-feira (20) foi de alegria no CT Rei Pelé. As convocações de Sandry e Kaio Jorge para a seleção brasileira sub-17 e de Felipe Jonatan para a olímpica foram o principal assunto do último treinamento do Santos antes da partida contra o Grêmio, neste sábado (21), às 21h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro. 


Apesar de ser um chamado apenas para dois amistosos, o lateral-esquerdo Felipe Jonatan não escondeu a emoção pelo momento vivido e por lembrar de tudo que passou até chegar a esse dia tão importante.


“Sou muito grato ao Santos por ter aberto as portas para mim. Passa um filme, até pouco mais de um ano atrás eu era o quarto reserva no Ceará. Hoje estou em uma equipe gigantesca e na seleção olímpica. A minha vida foi bem sofrida. Tive uma infância dolorida por ter que vender roupas e frutas para ajudar em casa”, comentou o camisa 36 do Peixe. 


Ainda tímidos, mas não menos sorridentes com a oportunidade de representar Brasil em um Mundial que será disputado em casa, os dois atletas da seleção sub-17 também agradeceram ao clube que tem proporcionado tudo isso a eles.


"Estou muito feliz, é um sonho de criança. Agradeço ao Santos pelo suporte, pelos jogadores em alto nível. E a Deus", disse Kaio Jorge, de 17 anos.


"Muito feliz. É um sonho estar no Mundial. Agradeço ao Santos e a Deus por tudo que tem acontecido na minha vida", comentou Sandry, da mesma idade. 


Kaio Jorge e Sandry firmaram os seus primeiros contratos profissionais com o Peixe neste ano. Os dois, no entanto, tiveram muita dificuldade para chegar a um acordo.


O atacante Kaio Jorge admitiu que teve receio de ficar fora do Mundial por conta do imbróglio. "Há muitos atletas qualificados dando o melhor. Sabíamos que tínhamos que resolver o mais rápido possível", afirmou.


Logo A Tribuna