Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Carille elogia jogadores do Santos, mas diz que ainda tem correções a fazer

Peixe venceu primeira partida sob comando do treinador

Por: Bruno Lima  -  11/10/21  -  07:17
 Treinador disse que detalhes ainda precisam ser feitos no time
Treinador disse que detalhes ainda precisam ser feitos no time   Foto: Ivan Storti/Santos FC

Aos poucos, o técnico Fábio Carille vai dando a sua cara para o time do Santos. Após a vitória por 1 a 0 sobre o Grêmio, neste domingo (10), na Vila Belmiro, o treinador exaltou a entrega dos seus jogadores em busca dos três pontos, mas ressaltou que para ficar realmente satisfeito faltam detalhes para ajustar na equipe.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


O treinador, contudo, elogiou a postura do time para driblar a pressão que tanto vinha atrapalhando e impedindo o Alvinegro de se reencontrar com as vitórias.


"Estou muito orgulhoso destes jogadores, que estavam muito pressionados. Uma equipe deste tamanho, quando fica tanto tempo sem ganhar, é normal a pressão. Estou orgulhoso pela entrega e dedicação desde o jogo com o São Paulo. O nosso primeiro tempo contra Juventude foi bom, depois tivemos um jogo de luta e entrega contra o São Paulo e hoje fazendo um primeiro tempo incomodando o adversário e finalizando a gol, mas a bola não entrava. Nessa hora a gente pensa: 'poxa vamos para mais um jogo sem vencer'. Tentamos passar tranquilidade, mas não é fácil. Por tudo isso, posso dizer que os jogadores foram guerreiros e fomos abençoados com uma vitória importante para a sequência", disse o treinador em entrevista coletiva.


Com a vitória deste domingo, Carille acredita que terá mais tranquilidade corrigir pontos que ainda o incomodam.


"Tem muitas coisas que quero melhorar. Acredito que essa vitória vai facilitar o meu trabalho. Quebramos esse tempo sem vitórias. Então, acredito que os atletas estarão mais tranquilos para trabalhar. Não é fácil, mas algumas coisas chamam a atenção. A preocupação quando cheguei era do tanto de gols tomados. Nós buscamos equilíbrio. Contra Juventude, no primeiro tempo finalizamos bastante, mas no fim fomos castigados com gols de bola parada e nos perdemos. Eu me perdi também na ocasião. Contra o São Paulo, fizemos um jogo consistente, de briga e entrega. Diante disso, saio muito orgulhoso por tudo o que está acontecendo aqui".


Logo A Tribuna