EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

1 de Junho de 2020

Borges diz que chances perdidas foram cobradas no vestiário da Briosa e pede atenção aos detalhes

Zagueiro da Portuguesa Santista admitiu que a atuação do time não foi boa no segundo tempo do jogo contra o São Caetano

Após a derrota, de virada, para o São Caetano, neste domingo (15), em Ulrico Mursa, o vestiário da Portuguesa Santista foi tomado por cobranças pelas chances desperdiçadas no jogo, válido pela 12ª rodada do Campeonato Paulista da Série A2.

"A gente não pode se dar o luxo de fazer um primeiro tempo do jeito que faz e, no segundo tempo, ter esse apagão. Eu creio que as oportunidades apareceram, até pra gente matar o jogo, antes mesmo deles terem feito o primeiro gol, e a gente não fez. Mas isso daí foi cobrado dentro do nosso vestiário. Sabemos que chegamos em um momento da competição que o detalhe vai fazer diferença, e isso o professor vem nos alertando diariamente, porque é uma competição muito difícil", analisou o zagueiro Borges.

Agora, a Briosa concentrará seu foco no próximo duelo, contra o Juventus, na Rua Javari. Depois, terá pela frente o Monte Azul, que, assim como o time santista, aspira as primeiras posições da tabela. A segunda partida também é fora de casa.

"A expectativa para esses jogos são as melhores, até porque a gente vem fazendo jogos bons fora de casa. A maioria dos pontos que conseguimos foi fora de casa. Isso nos dá, também, sobrevida. Mas também não podemos nos apegar e esquecer que nosso ponto forte é em casa. A gente tem deslizado durante a competição e isso não é bom", comentou ele.

Por já ter sido jogador do Moleque Travesso, Borges conhece bem o clima da Rua Javari. "Já tive oportunidade de jogar lá por três anos e sei como é. É muito difícil. É uma torcida que empurra bastante. Contra o Monte Azul, é definir nossa classificação", concluiu.

Tudo sobre: