Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Gallardo admite tarefa difícil contra Palmeiras: 'Temos que ter uma noite épica'

O treinador gostou do desempenho de seu time contra o Palmeiras apenas nos primeiros minutos da partida

Por: Do Estadão Conteúdo  -  06/01/21  -  12:10
Atualizado em 06/01/21 - 12:26
Treinador do River Plate, Marcelo Gallardo
Treinador do River Plate, Marcelo Gallardo   Foto: Getty Images/Diego Alberto Haliasz

O River Plate se complicou nas semifinais da Copa Libertadores ao ser derrotado em casa, em Buenos Aires, para o Palmeiras por 3 a 0, na terça-feira, pela rodada de ida. Agora será preciso, no mínimo, uma vitória por três gols de diferença na semana que vem, em São Paulo, para levar a disputa da vaga à final para a decisão por pênaltis. O técnico Marcelo Gallardo reconheceu a dificuldade de seu time.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


"Temos que ter uma noite épica, dessas que existem no futebol, que acontecem muito de vez em quando, mas que existem", disse o treinador, que já conquistou duas vezes o título da Libertadores "Temos que digerir o golpe. Foi totalmente inesperado. Temos que nos recompor mentalmente para encarar o jogo de volta com uma intenção como a que temos sempre, de ir buscar o jogo", declarou.


Gallardo está em sua quinta semifinal de Libertadores em seis disputadas no comando do River Plate. Foi campeão em 2015 (contra o Tigres, do México) e 2018 (contra o Boca Juniors), vice em 2019 (perdeu para o Flamengo) e parou na semi em 2017, eliminado pelo Lanús.


O treinador gostou do desempenho de seu time contra o Palmeiras apenas nos primeiros minutos. Depois vieram os seguidos erros defensivos, que resultaram nos três gols do rival, e a reação ficou difícil.


"As chegadas que tivemos vieram de bom jogo, com o Palmeiras acuado, tratando de aproveitar os contra-ataques. Até o primeiro gol, não tinham feito nada. O gol levou o River a uma confusão por um tempo e quando as coisas podiam se acomodar, fizeram o segundo gol, também por erros nossos. E a equipe sentiu o golpe. Depois da expulsão de Carrascal e o terceiro gol, só restou sofrer com a partida", analisou.


Logo A Tribuna