Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Primeiro-ministro do Japão promete controlar a covid-19 e realizar a Olimpíada

A previsão para o início dos Jogos Olímpicos de Tóquio é 23 de julho

Por: Por Estadão Conteúdo  -  18/01/21  -  13:18
Atualizado em 18/01/21 - 13:36
Jogos Olímpicos de Tóquio foram adiados para 2021
Jogos Olímpicos de Tóquio foram adiados para 2021   Foto: JAE C. HONG/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, prometeu nesta segunda-feira (18) obter o controle da pandemia de coronavírus e garantir a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio, adiados no ano passado e com início previsto para 23 de julho.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Em um discurso de abertura de uma nova sessão do Parlamento, Suga disse que seu governo vai revisar as leis para tornar as medidas antivírus aplicáveis com penalidades e compensação.

No início da pandemia, o Japão conseguiu manter sob controle seu número de casos de coronavírus por intermédio de pedidos para empresas fecharem ou operarem com redes sociais, distanciamento e para as pessoas ficarem em casa. Mas nas últimas semanas foi registrado um aumento grande de casos por dia, em parte devido a atitudes atenuadas. Suga disse que seu governo pretende iniciar a vacinação o mais rápido possível.

"A fim de restaurar a sensação de segurança, pegarei a pandemia de coronavírus, que se alastrou em todo o mundo e agora está afetando gravemente o Japão, sob controle o mais rápido possível", disse o ministro. "Eu estarei na linha de frente de batalha, com a cooperação do povo japonês."

Suga prometeu realizar a Olimpíada como "uma prova da vitória humana contra o coronavírus". "Teremos medidas anti-infecção completas em vigor e prosseguiremos com a preparação com determinação para alcançar os Jogos que podem trazer esperança e coragem a todo o mundo." Pesquisas recentes da mídia mostram que cerca de 80% do público japonês acha que a Olimpíada não vai ou não deveria acontecer.

Suga disse que a vacina é o "argumento decisivo" contra a pandemia e espera começar vacinação quando o Ministério da Saúde do Japão aprovar a vacina desenvolvido pela Pfizer, um dos três fornecedores estrangeiros para o Japão, em fim de fevereiro.

O Japão confirmou mais de 330 mil infecções e 4,5 mil mortes por covid-19, números que aumentaram recentemente, embora ainda sejam muito menores do que muitos outros países de seu tamanho.

Suga, em 7 de janeiro, decretou estado de emergência para a área de Tóquio e expandiu para todo o país na quarta-feira passada, com o aumento de infecções sobrecarregando os sistemas médicos. Mas

o ministro tem sido criticado por ser lento para implementar medidas preventivas após o início do novo surto, aparentemente devido à relutância de seu governo em prejudicar ainda mais a economia.

Suga manteve a campanha de promoção de viagens subsidiada pelo estado "Go To" ativa até final de dezembro, o que lhe causou muitas críticas por apoiar a indústria do turismo devastada pela pandemia.

O estado de emergência - cobrindo mais da metade dos 127 milhões de japoneses e previsto até 7 de fevereiro - pede que bares e restaurantes fechem às 20h, as empresas utilizem 70% de seus funcionários, com prioridade de trabalho feito em casa e para que as pessoas não deixem suas residências por motivos não essenciais.

Uma das mudanças propostas nas medidas antivírus legalizaria a compensação para os empresários que cooperam com tais medidas e permitem multas ou prisão para aqueles que os desafiam. O governo de Suga também planeja revisar a lei de doenças infecciosas para permitir que as autoridades penalizem pacientes que se recusam a ser hospitalizados ou a cooperar com funcionários da saúde.

Autoridades de saúde acreditam que um número crescente de pessoas está desafiando as instruções para se auto-isolar ou ser hospitalizado, espalhando o vírus e dificultando o rastreamento do contato.

Os legisladores e especialistas da oposição estão cautelosos quanto à punição para os pacientes, citando preocupações com os direitos humanos. Eles também dizem que essa punição é inútil quando os hospitais estão ficando sem leitos e forçando centenas de pessoas a esperar em casa.


Logo A Tribuna