Menina troca botas de ferro por sapatilhas de balé para corrigir problema ortopédico

Isabella Chigole, de 9 anos, tem os pés virados para dentro

Por: Diego Palma  -  10/12/18  -  09:28
  Foto: Marcelo Martins / Prefeitura de Santos

Isabella Martins Chigole encontrou no balé uma forma de corrigir um problema ortopédico. A bailarina, de 9 anos, tem os pés virados para dentro e caminha com dificuldade. Após várias tentativas, com palmilhas especiais e até botas de ferro para dormir, a mãe Renata Martins Chigole viu na dança a salvação para o problema da filha.


"Minha filha pisava muito torto e isso nos incomodava demais. Passamos por médicos que recomendaram palmilha ortopédica e até bota de ferro para dormir. Mas nada disso fez com que ela caminhasse direito. Tinha vezes que ela não conseguia levantar sozinha. Acho que é hereditário, porque eu também tive esse problema e fiz muitos anos de balé para corrigir", disse a mãe.


Questionada se o balé foi uma recomendação médica, Renata atribuiu à sorte. "O balé foi uma feliz coincidência. Foi muito bom para ela em todos os aspectos. No começo era difícil para ela fazer aqueles passos, pois eles exigiam que os pés ficassem para fora. Ela falava para mim que nunca ia conseguir. Minha filha está melhorando, mas percebi que os pés voltam a entortar com a ausência do balé. Ela ficou doente um período e reparei que regrediu. Então ela não pode parar", comentou.


Hoje, além de conseguir caminhar melhor, Isabella realiza apresentações com a escola da Vila Criativa, projeto sustentado pela Prefeitura de Santos.


"A apresentação foi linda. Ficamos muito emocionados com o desempenho dela. É inexplicável o que eu senti. Uma mistura de gratidão, amor e de missão cumprida. Ela é nosso orgulho e nos ensina como ser pessoas melhores a cada dia", comemorou Renata.


Isabella, embora muito jovem, reconheceu a melhora na sua vida e disse que a dança lhe faz muito bem. "Eu fico muito feliz quando faço o balé. Ele está me ajudando muito com a postura".


Logo A Tribuna