Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Catar abre exceção e libera equipes de quarentena antes do Mundial de Clubes

Santos e Palmeiras vão disputar a final da Copa Libertadores no dia 30 e na sequência o ganhador vai embarcar para o torneio sem precisar cumprir a quarentena mínima de sete dias para estrangeiros

Por: Do Estadão Conteúdo  -  22/01/21  -  12:19
Atualizado em 22/01/21 - 12:41
A nação do Golfo Pérsico manifestou seu interesse em organizar o maior evento esportivo do mundo
A nação do Golfo Pérsico manifestou seu interesse em organizar o maior evento esportivo do mundo   Foto: Divulgação/Fifa

Os times participantes do Mundial de Clubes da Fifa no mês que vem vão receber autorização especial para entrarem no Catar. Santos e Palmeiras vão disputar a final da Copa Libertadores no dia 30 e na sequência o ganhador vai embarcar para o torneio sem precisar cumprir a quarentena mínima de sete dias para estrangeiros exigida pelo governo local. Por outro lado, haverá a obrigação de atender a outros protocolos de segurança por causa da covid-19.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Em contato com a reportagem, a Fifa explicou que todos os times estrangeiros participantes do Mundial de Clubes estão dispensados do protocolo de isolamento estabelecido pelo governo do Catar. Se não fosse por isso, os times do torneio teriam de permanecer sete dias trancados em um quarto de hotel sob monitoramento contínuo do Ministério da Saúde. Só depois disso os jogadores estariam liberados para sair e treinar.

A Fifa explicou que as equipes do Mundial de Clubes, inclusive o representante brasileiro, poderão viajar ao Catar em uma data mais próxima à da estreia e não vão precisar cumprir a quarentena de uma semana em hotel. A exigência dos organizadores é montar um esquema de bolha de segurança. Os elencos terão de ser testados nos países de origem, vão embarcar em aviões fretados e não vão ter contatos com pessoas de fora da própria delegação.

A tendência é as equipes estrangeiras do Mundial de Clubes só se dirigirem ao Catar poucos dias antes da estreia. O grande favorito ao título, o Bayern de Munique, tem jogo pelo Campeonato Alemão em 5 de fevereiro e só depois deve viajar até Doha para jogar somente três dias depois pela semifinal. O adversário virá do vencedor do confronto entre Al-Duhail, do Catar, e Al Ahly, do Egito.

Santos e Palmeiras decidem a Copa Libertadores no próximo dia 30, no Maracanã, e só devem viajar ao Catar alguns dias depois. A logística de viagem será definida pela Fifa junto do time vencedor. A entidade máxima do futebol só vai emitir credenciais e pagar as despesas para 23 atletas de cada clube e mais outros 32 representantes, entre comissão técnica, dirigentes e convidados. As equipes podem até levar mais outras pessoas, porém terão de custear essas presenças extras por conta própria

Dentro do país os times só vão poder se deslocar do hotel para o centro de treinamento ou para os estádios das partidas. Passeios, visitas de outros convidados e eventos estão proibidos A Fifa organizou uma rotina de testes, com exames PCR antes da viagem, na chegada ao Catar e antes de cada partida.

As restrições impostas pelo Catar vão dificultar a presença no país de torcedores estrangeiros. Segundo as regras do governo, os visitantes precisam cumprir uma lista de exigências ao desembarcar. É obrigatório comprar um chip com número de celular local para se cadastrar em um aplicativo do Ministério da Saúde para informar diariamente a aparição de possíveis sintomas do novo coronavírus. Depois, é preciso permanecer em quarentena por sete dias em um hotel.

Essas regras só são mais flexíveis para quem tem visto especial de entrada ou cidadãos de países vizinhos ao Catar. Os ingressos para a competição estão à venda. Os estádios vão receber no máximo 50% da capacidade máxima. O torneio será disputado nos estádios Ahmed bin Ali e Education City. Ambos foram inaugurados ano passado e vão receber também a Copa do Mundo de 2022.

A pandemia do novo coronavírus já impactou o Mundial ao provocar a desistência do representante da Oceania, o Auckland City, da Nova Zelândia. O time não vai mais participar por causa das regras rígidas impostas pelo governo neozelandês para quem retorna de viagens internacionais. Por isso, o torneio terá seis clubes: Al-Duhail, Al Ahly, Bayern de Munique, além do campeão da Libertadores e mais o Tigres, do México, e o Ulsan, da Coreia do Sul.


Logo A Tribuna